Busca avançada
Ano de início
Entree

De onde vem a crítica ao perspectivismo ameríndio

Processo: 17/25040-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Teoria Antropológica
Pesquisador responsável:Artionka Manuela Goes Capiberibe
Beneficiário:Victor Abreu Amante
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Antropólogos   Perspectivismo   Indígenas

Resumo

Pretende-se avançar neste projeto de iniciação científica e dentro de suas limitações a seguinte pergunta: qual a relação, seja de dessemelhança, seja de convergência, entre a crítica ao perspectivismo ameríndio e o próprio perspectivismo, enquanto uma teoria antropológica cunhada principalmente por Eduardo Viveiros de Castro, mas também por Tânia Stolze Lima? E mais, entender de onde vem essa crítica. Quem a formula? Professores e professoras? Indígenas? Com quem eles dialogam? Existem semelhanças entre a própria crítica e a teoria do perspectivismo ameríndio? Se não, de onde parte cada um para elaborar os próprios conceitos? (AU)