Busca avançada
Ano de início
Entree

Detecção de células tumorais circulantes por isolamento baseado em tamanho (ISET) e RT-qPCR em cães portadores de Melanoma

Processo: 17/22374-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Cristina de Oliveira Massoco Salles Gomes
Beneficiário:Victor Nowosh
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Diagnóstico clínico   Oncologia veterinária   Melanoma animal   Células neoplásicas circulantes   Biópsia líquida   Monofenol mono-oxigenase   Cães

Resumo

Melanoma é uma neoplasia maligna com alto potencial metastático em cães. Uma das estratégias para compreender os mecanismos de metástase é a biopsia líquida, que consiste na detecção de Células Tumorais Circulantes (CTCs) e outros produtos tumorais na circulação, permitindo avaliação da biologia do tumor, de prognóstico e de resposta ao tratamento em tempo real de forma não-invasiva. A metodologia de isolamento baseado em tamanho (ISET) permite a detecção e quantificação de CTCs íntegras. Já, a aplicação de PCR transcriptase-reversa em Real Time (RT-qPCR) tem como alvo transcritos de RNA mensageiro associados ao tumor. Apesar de seu amplo uso em pacientes humanos, a detecção de CTCs íntegras ainda não foi aplicada em cães, e estudos com RT-qPCR já foram aplicados em Melanoma canino, mas não para a detecção de CTCs. O objetivo principal deste estudo é desenvolver e validar protocolos de ISET e de RT-qPCR para detecção de CTCs em cães com melanoma oral e de dígito. Estudo in vitro para validação e avaliação da sensibilidade do ensaio será conduzido com amostras de sangue de cães saudáveis adicionadas quantidades conhecidas de células tumorais de linhagem primária de melanoma oral canino. Serão avaliadas múltiplas amostras de 30 pacientes caninos com melanoma oral ou de dígito. A hipótese desse projeto é de que os resultados da biópsia líquida apresentarão correlação prognóstica com a sobrevida dos pacientes com melanoma, de forma similar ao observado em pacientes humanos. (AU)