Busca avançada
Ano de início
Entree

Busca de aglomerados de galáxias em altos redshifts

Processo: 18/01469-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astrofísica Extragaláctica
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Laerte Sodré Junior
Beneficiário:Marcelo Ciani Vicentin
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Aglomerados de galáxias   Cosmologia (astronomia)   Buracos negros

Resumo

Os aglomerados de galáxias são conhecidos como sendo uma das maiores estruturas ligadas gravitacionalmente no universo. Compreender a formação e evolução dos aglomerados é fundamental para avanços na área da cosmologia, no entendimento sobre a influência do meio ambiente na evolução de galáxias e, possivelmente, na formação dos buracos-negros supermassivos. Por isso, neste trabalho, pretende-se realizar uma busca por aglomerados de galáxias com redshift entre 1 e 2. Serão utilizadas imagens multibandas obtidas pelo telescópio de grande campo CFHT com a câmera Megacam contendo tripleto de quasares como traçadores. De acordo com Boris et al. 2007, sistemas de quasares podem indicar regiões de sobre densidade e, neste intervalo de redshift, podem estar associados à formação de protoaglomerados ou aglomerados de galáxias. Serão produzidos catálogos dos objetos através do software SExtractor e os redshifts fotométricos serão estimados com o ANNz2, que utiliza algoritmos de machine learning para fazer o mapeamento de cores ou magnitudes em redshift. Para o treinamento deste software, será utilizado o catálogoCOSMOS2015, que possui dados de fotometria nas bandas de interesse e alta precisão nas medidas de redshift. Em paralelo a este trabalho, serão feitos catálogos simulados para definir à z, uma vez que pretende-se avaliar a região zt z < zt < zt + z, onde zt é o redshift médio do tripleto e z < Ãz. A partir dessas informações, será possível fazer a seleção dos objetos que estão próximos ao tripleto, o que permitirá que se realize as análises de sobre densidades e cores (diagramas cor-cor, cor-magnitude, entre outros) para a avaliar se há formação de aglomerados na região do tripleto e o nível de significância destes resultados. (AU)