Busca avançada
Ano de início
Entree

Crimes, penas e o devido processo legal: ideias, textos e pessoas circulando pelo Atlântico: Brasil e Estados Unidos nas décadas de 1820 e 1830

Processo: 18/03623-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 31 de agosto de 2018
Vigência (Término): 30 de outubro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Convênio/Acordo: Capes - Fulbright - UC - Programa de Bolsas Dra. Ruth Cardoso
Pesquisador responsável:Monica Duarte Dantas
Beneficiário:Monica Duarte Dantas
Anfitrião: Gustavo S Azenha
Instituição-sede: Instituto de Estudos Brasileiros (IEB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Columbia University in the City of New York, Estados Unidos  
Assunto(s):História do direito   Direito penal   Século XIX   Circulação de ideias   Sociedades secretas   Maçonaria   Estados Unidos   Brasil

Resumo

Em 1830 e 1832, foram promulgados, no recém independente Império do Brasil, seus dois primeiros códigos, um Código Criminal e outro de Processo Criminal de 1a instancia. Tais diplomas repercutiam uma série de novas ideias - apresentadas em livros, artigos, panfletos e projetos elaborados, muitos deles, já na segunda metade do século XVIII -, cujos autores advogavas mudanças profundas no direito penal vigente, bem como medidas efetivas para garantir aos cidadãos julgamentos justos e o pleno direito de defesa. Em estudos recentes, mediante ampla consulta às fontes disponíveis, pude recolocar várias questões atinentes aos referidos códigos, entre elas a questão das influências estrangeiras, especificamente dos projetos do advogado nova-iorquino Edward Livingston. Porém, a percepção de sua importância necessariamente coloca uma série de novos problemas, especialmente a questão do como e porquê suas obras chegaram às mãos dos brasileiros. Consoante o que me foi possível levantar até agora, fica evidente o papel central da maçonaria, nas décadas de 1820 e 1830, na circulação de ideias e textos entre os dois lados do Atlântico, bem como de um hemisfério a outro. Ainda que, em 1822, um decreto tenha proibido o funcionamento das sociedades secretas, especialmente da maçonaria, tal diploma não alcançou, de fato, suas pretensões, muito pelo contrário; mesmo que nas sombras, os irmão continuaram a se reunir. Ademais, pelos próximos dez anos, em meio à proibição, mantiveram-se as relações entre maçons brasileiros e irmãos de outros países, especialmente os membros da maçonaria nova-iorquina (responsável por dar a muitas da lojas ilegais brasileiras suas cartas patentes). Livingston não só era membro da maçonaria de seu estado natal (desde tenra idade), estado este em que seus familiares e conhecidos ocupavam as principais posições na agremiação, mas também, de 1829 a 1836 (ano de sua morte), tornou-se a mais alta figura no chamado Grand Royal Arch dos Estados Unidos, uma espécie de instância superior, a congregar maçons de diferentes estados (uma vez que, na América do Norte, cada uma das unidades da federação tinha seu próprio Grande Oriente).

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.