Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da composição de glicoproteínas na superfície de vesículas extracelulares de plasma de pacientes com câncer de boca e sua correlação com o prognóstico

Processo: 18/02180-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Adriana Franco Paes Leme
Beneficiário:Carolina Moretto Carnielli
Instituição-sede: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). Campinas, SP, Brasil
Assunto(s):Metástase   Vesículas extracelulares   Oncologia   Neoplasias bucais

Resumo

O câncer de cabeça e pescoço corresponde ao sexto tumor maligno com maior frequência no mundo. A maioria dos casos é de carcinoma oral de células escamosas ou epidermóide (CEC), cuja taxa de sobrevida de cinco anos ocorre em apenas 50% dos casos. A classificação do estágio de desenvolvimento de CEC oral é dada pelo sistema TNM, o qual é utilizado também para a determinação do prognóstico do paciente, sendo que a presença de metástase nos linfonodos regionais está associada ao pior prognóstico. As vesículas extracelulares (VEs) são importantes mediadores da comunicação intercelular, desempenhando um papel também na determinação e no desenvolvimento do sítio de metástase por meio de proteínas, como já reportado para algumas glicoproteínas identificadas em VEs. Diversas glicoproteínas provenientes de diferentes tipos de tumores são utilizadas na prática clínica para determinação do prognóstico, para monitoramento, resposta ao tratamento, entre outros. Dessa forma, o objetivo desse estudo é buscar por potenciais marcadores de prognóstico como glicoproteínas de superfície de VEs em plasma de pacientes, uma fonte de biópsia líquida. Para isso, por meio da colaboração com o Biobanco - Rede Premium, Faculdade de Medicina/Instituto de Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), o plasma de pacientes com CEC oral com ausência clínica de metástase linfonodal (N0) e com estadiamento T3 e T4 e de pacientes com metástase linfonodal (N+) e com estadiamento T3 e T4 será coletado. As VEs serão obtidas do plasma desses pacientes e as glicoproteínas de superfície serão analisadas por proteômica baseada em descoberta. Os dados proteômicos serão correlacionados com características clínico-patológicas dos pacientes, com enfoque em metástase. As glicoproteínas selecionadas serão verificadas em amostras independentes de um maior grupo amostral por proteômica baseada em alvos, seguido por associação com características clínico-patológicas dos pacientes. Pretende-se com esse projeto indicar glicoproteínas de superfície de vesículas extracelulares que estejam associadas com a presença de metástase linfonodal e, com isso, identificar marcadores de prognóstico em pacientes com tumores da cavidade oral (CEC oral).