Busca avançada
Ano de início
Entree

Oferta e demanda por qualidade nas exportações sul-americanas

Processo: 17/22466-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Economia - Economia Internacional
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Cinquetti
Beneficiário:Geovana Canova de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Política comercial   Comércio internacional   Exportação   Concorrência internacional   Qualidade do produto   Demanda (economia)   Brasil   Argentina   Colômbia   Peru (país)

Resumo

Propomos uma análise de comércio bilateral em qualidade de bens com dois suportes teóricos separáveis: uma estrutura de demanda (países de destino) assentada num modelo oligopolista de concorrência espacial com seleção adversa em que consumidores enfrentam custo busca (da qualidade); uma estrutura de oferta (país de origem) assentada num modelo competitivo com sinalização de qualidade pelo exportador. Na análise empírica, tomaríamos dados de Argentina e Brasil (Mercosul), ao lado de Colômbia e Peru (Pacto Andino), para seus parceiros mundiais, com bens agrupados em diferenciados e não diferenciados (lista Rauch) nos anos 1995, 2005 e 2015. O agrupamento proposto permitiria, ainda, ver como comércio em qualidade é afetado por políticas comerciais e geografia. A análise da estrutura da demanda focaria nas margens extensiva (de mercados e bens) e de qualidade, examinando extensão e precificação das exportações de qualidade, bem como no custo iceberg ajustado para qualidade. As questões chaves seriam: como margem extensiva e de qualidade se correlacionam? Como redes sociais afetam as informações dos importadores sobre qualidade, como expressa pelo custo-iceberg ajustado para qualidade? Já a análise da estrutura de oferta examina especialização inter e intra-bens do exportador, apoiada num modelo empírico de RUV (relative unit value), o qual se sobrepõe e complementa o modelo UV (unit value) da estrutura de demanda. A questão chave seria: a especialização em bens de maior valor (qualidade) está correlacionada às vantagens comparativas de custos? Está, o RUV, entrelaçado à experiência exportadora em cada mercado, como previsto pelo problema de informação do modelo? (AU)