Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade funcional da biologia floral de plantas em paisagens heterogêneas de Mata Atlântica

Processo: 18/04337-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Danilo Boscolo
Beneficiário:Karoline Baptista de Lima
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia da paisagem   Biodiversidade   Diversidade funcional (ecologia)   Destruição de habitat   Uso do solo   Vegetação   Flora   Mata Atlântica

Resumo

Mudanças a nível de paisagem, como a perda e degradação de habitat de diversas espécies, são as principais impulsionadoras da perda de biodiversidade. Isso ocorre devido à resultante limitação de recursos dessas espécies e consequente aumento da competição, além de afetar negativamente comportamentos reprodutivos, sociais e de dispersão, levando à simplificação e declínio de populações e extinção de espécies. Já alguns estudos sobre a heterogeneidade de ambientes apontam para um efeito positivo sobre a diversidade de espécies, por disponibilizar diferentes tipos de habitats que podem ser requeridos durante seus ciclos de vida. A perda de biodiversidade pode ocorrer no nível de genes, espécies e traços funcionais, gerando consequências negativas no funcionamento de ecossistemas. Porém, apesar de muitos estudos quantificarem a biodiversidade por meio da riqueza de espécies, há um crescente consenso que a diversidade funcional seja mais determinante para o funcionamento de ecossistemas do que apenas a quantidade de espécies em si. Uma função que está sendo impactada pelas mudanças na paisagem é a polinização, importante serviço ecossistêmico, tanto para a manutenção da biodiversidade nativa quanto para muitas culturas agrícolas. No entanto, é notório que a comunidade de plantas também atua na estruturação da comunidade de polinizadores, principalmente através da diversidade de flores e de recursos florais. O objetivo desse projeto é compreender como variações na estrutura da paisagem, especificamente proporção de floresta e heterogeneidade do uso do solo, nas escalas de 1 e 5 km, influenciam a diversidade funcional relativa a biologia floral de plantas de sub-bosque em fragmentos de Mata Atlântica. Serão utilizadas as plantas floridas coletadas em 30 unidades amostrais dentro de fragmentos florestais de Mata Atlântica do projeto de pesquisa intitulado "Redes de Interação Planta-Polinizador em Paisagens Heterogêneas de Mata Atlântica" do Edital Universal MCTI/CNPq No 14/2014. Foram determinadas paisagens circulares de 1 km de raio ao redor de cada unidade amostral, sendo que cada 3 paisagens de 1 km de raio foram aninhadas em paisagens maiores de 5 km de raio, para calcular a proporção florestal e heterogeneidade do uso do solo em ambas as escalas. As plantas coletadas em cada unidade amostral serão classificadas em grupos funcionais relativos a traços funcionais da biologia floral mais relevantes às interações entre flor e visitante floral. Com esses dados, será calculado a diversidade funcional para cada traço funcional escolhido utilizando o índice de Shannon (H'), porém utilizando os grupos funcionais como equivalente a espécies e número de espécies dentro de cada grupo funcional como equivalente a indivíduos. Para analisar a influência da proporção de floresta e heterogeneidade do uso do solo, nas escalas de 1 e 5 km, sobre a diversidade funcional, utilizaremos os Modelos Mistos Lineares Generalizados (GLMM). Por fim, será feito o uso do Critério de Informação de Akaike (AIC) para identificar quais parâmetros da paisagem melhor explicam a diversidade funcional para cada traço funcional selecionado. A compreensão de como a perda de habitat natural e a heterogeneidade do uso do solo influenciam a diversidade funcional da biologia floral de ecossistemas é fundamental para orientar políticas e ações conservacionistas relacionadas ao serviço de polinização. (AU)