Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel de IRF-5 na patogênese e neurovirulência de Oropouche vírus

Processo: 17/26908-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 30 de abril de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:José Luiz Proença Módena
Beneficiário:Pierina Lorencini Parise
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/00194-8 - Patogênese e neurovirulência de vírus emergentes no Brasil, AP.JP
Assunto(s):Virologia   Orthobunyavirus   Fatores reguladores de interferon   Análise de sequência de RNA   Neutrófilos   Células endoteliais   Tropismo viral   Resposta imune   Microscopia confocal   Modelos animais

Resumo

O vírus Oropouche (OROV) é um arbovírus emergente transmitido em ambiente urbano pela picada de Culicoides paraensis, uma mosca hematófoga que circula no Norte e Nordeste brasileiro. Como outros arbovírus, incluindo Zika e Chikungunya, OROV causa uma doença febril exantemática associada a complicações neurológicas em uma parte dos pacientes infectados. Embora tenha sido demonstrado que OROV pode atravessar a barreira hematoencefálica e causar infecção no Sistema Nervoso Central (SNC) de camundongos neonatos e hamsters, pouco se sabe sobre os mecanismos patogenéticos associados a quebra dessa barreira. Recentemente, nosso grupo demonstrou que IRF-5, um fator de transcrição ativado após reconhecimento de PAMPs (Padrões Moleculares Associados a Patógenos), é essencial no controle da neuroinvasão por OROV. Dessa forma, o objetivo deste projeto é caracterizar como IRF-5 controla a neuroinvasão por OROV. Para tanto, caracterizaremos a infecção por OROV e a expressão de RNAs totais por RNAseq em PBMCs (células polimorfonucleares) e culturas primárias de endotélio cerebral de animais selvagens e nocautes para IRF-5. Além disso examinaremos a integridade da barreira endotelial em experimentos de transwell com linhagens estabelecidas e culturas primárias de células endoteliais, medindo a resistência elétrica transendotelial (TEER), a quantidade de vírus que consegue cruzar a monocamada e a integridade das junções oclusivas por microscopia confocal. Esses experimentos serão conduzidos na presença e ausência de vírus e do sobrenadante de PBMCs infectados artificialmente. Por fim, analisaremos a mortalidade e o tropismo viral em animais que não expressam IRF-5 em macrófagos, células dendríticas e endotélio, utilizando o sistema Cre/LoxP de recombinação. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
VENCESLAU, EMANUELLA MENESES; SIQUEIRA GUIDA, JOSE PAULO; NOBREGA, GUILHERME DE MORAES; SAMOGIM, ANA PAULA; PARISE, PIERINA LORENCINI; JAPECANGA, RODOLFO ROSA; DE TOLEDO-TEIXEIRA, DANIEL AUGUSTO; FORATO, JULIA; ANTOLINI-TAVARES, ARTHUR; SOUZA, ARETHUSA; ALTEMANI, ALBINA; CONSONNI, SILVIO ROBERTO; PASSINI, RENATO; AMARAL, ELIANA; PROENCA-MODENA, JOSE LUIZ; COSTA, MARIA LAURA; NETWORK, ZIKA-UNICAMP. Adequate Placental Sampling for the Diagnosis and Characterization of Placental Infection by Zika Virus. FRONTIERS IN MICROBIOLOGY, v. 11, FEB 21 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.