Busca avançada
Ano de início
Entree

Study of the role of the P2X7 receptor in conventional and follicular regulatory T lymphocytes in experimental malaria

Processo: 18/00686-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Maria Regina D'Império Lima
Beneficiário:Paulo Henrique Lisboa Raeder
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Doenças transmissíveis   Malária   Plasmodium   Resposta imune

Resumo

A malária é das doenças infecciosas mais prevalentes na espécie humana, sendo responsável por mais de 500 mil de mortes anuais mundialmente. A resposta imune contra o plasmódio auxilia no controle da infecção mas também pode contribuir para a sua severidade. A morte necrótica causa a liberação de ATP, um sinal de dano para as células do sistema imune que ativa as respostas inflamatórias e de reparo tecidual. O ATP também pode ser liberado por células ativadas e apoptóticas através de um canal denominado panexina-1, o que resulta na sinalização celular autócrina e parácrina. O receptor P2X7 está presente em células do sistema imune e se ativa com concentrações elevadas de ATP extracelular. Um estudo nosso publicado recentemente mostrou o envolvimento do ATP e do receptor P2X7 na proteção contra a malária causada pelo Plasmodium chabaudi AS (PcAS). Esse receptor contribui para a diferenciação dos linfócitos TH1 em detrimento dos linfócitos T CD4+ foliculares (TFH), que cooperam com linfócitos B para a produção de anticorpos. Além disso, a ausência do receptor P2X7 leva à redução da população de linfócitos TREG ativados (CD122+). Baseado nas considerações acima, o objetivo deste projeto é estabelecer o papel do receptor P2X7 na geração e atividade dos linfócitos TREG convencionais e foliculares na malária experimental. Para facilitar as análises dos linfócitos TREG utilizaremos camundongos FoxP3-GFP P2X7-/-, cujas células esplênicas serão comparadas com aquelas dos camundongos FoxP3-GFP. Os seguintes parâmetros serão avaliados nas fases aguda e crônica da infecção pelos parasitos PcAS e Plasmodium yoelii 17XNL: (A) A expressão de marcadores funcionais (CD25, CD39, CD44, CD62L, CD69, CD73, CD122, PD-1, CXCR5, A2A, ICOS, GITR e CTLA-4) e fatores de transcrição (T-bet e Bcl6), assim como a produção de citocinas reguladoras (IL-10 e TGF-b); (B) A atividade supressora em relação à proliferação de linfócitos T CD4+ estimulados com eritrócitos parasitados, assim com a produção de IFN-g; (C) A expressão de mRNAs relacionados à diferenciação de linfócitos T CD4+; (D) A resposta ao eATP, avaliando-se a proliferação, produção de citocinas e a atividade reguladora, assim como a entrada de Ca2+ e a translocação nuclear de NFAT (nuclear factor of activated T-cells); (E) Os mesmos parâmetros descritos nos itens A-D obtidos em camundongos CD4-/- infectados, que foram previamente transferidos com linfócitos T CD4+FoxP3-P2X7+, juntamente com linfócitos T CD4+FoxP3+P2X7+ ou linfócitos T CD4+FoxP3+P2X7-. Essa última abordagem permite verificar a importância da expressão do receptor P2X7 nas células TREG para a regulação da resposta imune, incluindo linfócitos TH1, TFH e B. Esse estudo contribuirá para compreender como os sinais de dano afetam a resposta imune contra o plasmódio. (AU)