Busca avançada
Ano de início
Entree

Detecção e análise da distribuição de carbamatos por espectometria de massa DESI em tecidos fixados em formol e em blocos de parafina de animais intoxicados

Processo: 18/04289-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Paulo César Maiorka
Beneficiário:Marina Frota de Albuquerque Landi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Toxicologia

Resumo

Os carbamatos são praguicidas anticolinesterásicos com ínumeras formulações e usos distintos. O aldicarb e o carbofurano, formulados para uso agrícola, têm frequentemente uso irregular como abortivos, tentativas suicídio, homicídio e intoxicações de animais domésticos e silvestres. Eles são conhecidos como "chumbinho" devido à aparência enegrecida e granular, são fornecidos em uma única dose letal a animais junto a alimentos (iscas). Quando encontrados vivos, esses animais apresentam sinais relacionados à inibição da atividade da acetilcolinesterase, que causa estímulo a receptores muscarínicos e nicotínicos, resultando em sinais como diarréia, vômitos, depressão e convulsões. As alterações macroscópicas e histopatológicas são consideradas inespecíficas, sendo observadas congestões em múltiplos órgãos. O diagnóstico da intoxicação é feito a partir da análise de amostras colhidas durante a necropsia e os métodos mais utilizados são a cromatografia em camada delgada (CCD) e a cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE), além da recém validada cromatografia líquida de alta pressão com detector de matriz de diodos (HPCL-DAD). O método de detecção por espectrometria de massa DESI (desorption electrospray ionization ou ionização por dessorção por eletrospray) pode ser utilizada para esse fim. Nele, um solvente é direcionado para a superfície da amostra para dessorver e ionizar o material. Esses íons são evaporados e, com a ajuda de um software, essa amostra é sescaneada e a informação correlacionada com a distribuição espacial da espécie química. Esse método irá permitir o diagnóstico de intoxicações em casos em que as amostras frescas não estão disponíveis. (AU)