Busca avançada
Ano de início
Entree

Aspectos geobiológicos e paleoambientais de Corumbella werneri Hahn et al. (1982) e biota associada (Ediacarano, grupo Corumbá)

Processo: 17/21584-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Mírian Liza Alves Forancelli Pacheco
Beneficiário:Gabriel Ladeira Oses
Instituição-sede: Centro de Ciências Humanas e Biológicas (CCHB). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Sorocaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/06114-6 - O Sistema Terra e a evolução da vida durante o Neoproterozoico, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):19/10929-3 - Testando a biomineralização em Corumbella werneri Hahn et al. (1982) e comparação com Sinotubulites: perspectivas GEOBIOLÓGICAS das primeiras biotas com esqueletos MINERALISADOS, BE.EP.DR
Assunto(s):Paleontologia   Fósseis   Cnidários   Ediacarano   Microscopia eletrônica de varredura   Espectroscopia Raman   Fluorescência de raio X

Resumo

Mudanças geológicas, como reconfigurações tectônicas e grandes glaciações, marcaram profundas transformações na evolução da biosfera no limite Ediacarano/Cambriano (ca. 541 Ma.). Feedbacks ecológicos podem ter contribuído para a origem de animais capazes de sintetizar esqueletos duros ou explorar ativamente o substrato, o que resultou em diversificação e radiação biológica. No Grupo Corumbá (MS), a Formação Tamengo consiste em rochas siliciclásticas e carbonáticas depositadas em plataforma marinha, onde são encontrados os mais antigos metazoários da América do Sul - incluindo alguns dos primeiros animais capazes de sintetizar esqueleto duros, como Cloudina sp. e Corumbella werneri. Os pelitos da Formação Guaicurus (sobreposta à Fm. Tamengo) também documentam registros de metazoários, em suas atividades de interação com o substrato. Este projeto tem por objetivo investigar os aspectos relacionados à preservação e esqueletogênese de Corumbella, revelando possíveis controles geoquímicos, sedimentares e geobiológicos sobre a fossilização. Além de lançar nova luz sobre questões paleoambientais, tafonômicas, paleoecológicas e evolutivas, os resultados deste trabalho irão compor uma base de dados para comparação com processos tafonômicos de outras unidades geológicas ediacaranas (e.g. Namíbia, China e Austrália). Para tanto, serão empregadas técnicas de imageamento e de análise geoquímica, como MEV/EDS, espectroscopia Raman e fluorescência de raios-x. (AU)