Busca avançada
Ano de início
Entree

Treinamento físico previne rarefação induzida por dexametasona: papel da mitocôndria

Processo: 18/06998-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 03 de setembro de 2018
Vigência (Término): 02 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Sandra Lia do Amaral Cardoso
Beneficiário:Naiara Araújo Herrera
Supervisor no Exterior: Jeannette Vasquez Vivar
Instituição-sede: Faculdade de Ciências (FC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru , SP, Brasil
Local de pesquisa : Medical College of Wisconsin (MCW), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:16/12532-5 - A influência do treinamento físico em ratos espontaneamente hipertensos tratados com dexametasona: contribuição dos microRNAs, BP.DR
Assunto(s):Fisiologia do exercício   Apoptose   Espécies de oxigênio reativas

Resumo

A dexametasona (DEX) é um fármaco com efeitos anti-inflamatório e imunossupressor, contudo, seu uso crônico pode acarretar diversos efeitos deletérios incluindo atrofia muscular, hipertensão e rarefação associada a um desequilíbrio nas vias de sinalização angiogênica e apoptótica. A DEX altera a função mitocondrial das células musculares, entretanto nada se sabe sobre os efeitos da DEX nas células endoteliais que poderiam explicar a rarefação microvascular induzida DEX. O treinamento físico melhora a função mitocondrial e a biogênese pelo aumento da atividade de Sirtuin 1 (Sirt-1) e da produção de nicotinamida adenina dinucleotídeo (NAD+). O treinamento físico melhora a disfunção vascular e inibe a rarefação induzida por DEX por mecanismos não totalmente compreendidos. Assim, o objetivo geral deste projeto é investigar se o treinamento físico previne a rarefação induzida pela DEX por melhorar a função mitocondrial. Iremos estabelecer os efeitos da DEX em biomarcadores metabólicos usando músculos sedentários e treinados e investigar mudanças específicas na função mitocondrial nas células. Especificamente, iremos (1) estabelecer os efeitos da DEX em NAD +, alterações redox e apoptose celular; (2) estabelecer os efeitos da DEX na bioenergética usando análise bioenergética de fluxo extracelular. As alterações na biogênese mitocondrial e na mitofagia serão realizadas por fluorescência confocal, qPCR e western blots; e (3) verificar se os antioxidantes com alvo mitocondrial (mito-Q e mitoCP) melhoram a bioenergética mitocondrial e celular no tratamento com DEX. Como resultado desse projeto, entenderemos melhor os mecanismos bioquímicos envolvidos na rarefação induzida pela DEX e possivelmente identificaremos medidas adicionais para controlar seus efeitos vasculares.