Busca avançada
Ano de início
Entree

O gene dor (diabetes and obesity regulated) como regulador do desenvolvimento e maturação sexual em Apis mellifera

Processo: 17/22119-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Zilá Luz Paulino Simões
Beneficiário:Nicole Fernanda Sozza
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Genética do desenvolvimento   Metabolismo   Autofagia   Maturação   Genes   Apis mellifica   Drosophila

Resumo

O gene DOR (Diabetes and Obesity Regulated), além de muito conservado em insetos e mamíferos, participa de vias moleculares semelhantes nesses dois grupos. Em ambos, é responsável por codificar uma proteína que atua como coativadora de receptores nucleares que estão envolvidos em cascatas hormonais no processo de autofagia e também na via de insulina. Em mamíferos, DOR recebe o nome de Tumor protein p53 inducible nuclear protein 2 (Tp53inp2), expressa uma proteína que atua como coativadora do receptor do hormônio da tireoide (TR±1), além de ser um elemento chave na supressão tumoral, atuando como uma molécula antiproliferativa e proapoptótica. Em Drosophila melanogaster, DOR (dDOR) atua como coativador do receptor de ecdisona (EcR), considerado ortólogo de TR±1 e, tanto em mamíferos como em insetos, DOR está envolvido na via de insulina, atuando em conjunto com o gene FOXO, além de possuir papel na regulação de autofagia em células de mamíferos e de Drosophila. Existem ainda poucos estudos que tratam da relação de DOR com a maturação sexual em insetos, apesar de ser um gene que está intimamente ligado à resposta hormonal a ecdisona. O gene DOR também está presente na abelha social Apis mellifera (amDOR) e, de forma interessante, possui maior similaridade ao seu órtologo em mamíferos, o que sugere que abelhas podem ser um modelo mais adequado para estudar o funcionamento desse gene em nível molecular, tornando possível estabelecer um paralelo com processos conservados entre estes dois organismos, principalmente relacionados à maturação sexual, resposta a hormônios e via de insulina. Propomos nesse projeto caracterizar como o gene amDOR é modulado ao longo do desenvolvimento de A. mellifera e suas relações com a maturação sexual e metabolismo.