Busca avançada
Ano de início
Entree

Biomassa lignocelulósica da gramínea forrageira Panicum maximum Jacq produzida em condições simuladas de clima futuro: potencial fonte de açúcares fermentescíveis para bioenergia

Processo: 17/23989-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2018
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Bioquímica de Microorganismos
Pesquisador responsável:Maria de Lourdes Teixeira de Moraes Polizeli
Beneficiário:Emanuelle Neiverth de Freitas
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/07141-5 - Formulação de um coquetel enzimático sinérgico otimizado com enzimas acessórias para melhorar o desempenho hidrolítico do Panicum maximum Jacq, BE.EP.DR
Assunto(s):Biomassa lignocelulósica   Panicum maximum   Bioenergia   Aquecimento global   Mudança climática

Resumo

O esgotamento de combustíveis fósseis e a poluição gerada por eles, como a emissão de gases do efeito estufa tem estimulado a busca por fontes alternativas e renováveis de energia. A biomassa produzida por gramíneas de crescimento rápido como o gênero Panicum, comumente utilizadas como forrageiras, podem ser importantes fontes para produção de energia limpa, porém é necessário estimar o seu potencial de produção de biomassa em situações simuladas de clima futuro. A biomassa lignocelulósica é composta principalmente por celulose, hemicelulose e lignina, e portanto, é necessário a ação conjunta de muitas enzimas para a produção de açucares fermentescíveis. Entretanto, a lignina se apresenta como uma barreira para ação das enzimas celulolíticas, fazendo com que seja necessário que o material passe por um processo de pré-tratamento, a fim de aumentar a acessibilidade das enzimas sobre a porção celulósica da biomassa. Muitos métodos de pré-tratamento estão disponíveis, contudo o pré-tratamento biológico parece ser o mais promissor, uma vez que não gera compostos inibitórios da fermentação e por ser uma metodologia considerada ecológica. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o potencial da gramínea Panicum maximum Jacq. variedade Mombaça como fonte alternativa para bioenergia, após serem submetidas ao tratamento de elevada temperatura (+2°C) e elevada concentração de CO2 (600ppm), simulando condições climáticas futuras. Serão estudadas diferentes enzimas lignocelulolíticas de origem fúngica, visando o desenvolvimento de um consórcio enzimático com potencial de aplicação industrial ou que poderão ser utilizadas em pré-tratamentos biológicos, a fim de aumentar o rendimento da hidrólise. Para avaliar as características morfológicas e químicas da biomassa (celulose, hemicelulose e lignina) antes e após o pré-tratamento será utilizado um Espectrofotômetro infravermelho com Transformada de Fourrier (FTIR), Microscópio Eletrônico de Varredura, Difração de Raio X e análise da composição química.Dependendo da aprovação do projeto poderá ser realizada no exterior uma extensão do plano de pesquisa sob supervisão do Professor Dr. Leonardo Gomez da Universidade de York, visando aumentar o rendimento do processo por estudos de digestibilidade e parede celular.