Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização funcional da ORF hipotética 3407 codificada por Xanthomonas citri subsp. citri

Processo: 18/00428-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Henrique Ferreira
Beneficiário:Bianca da Costa Santos
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Anti-infecciosos   Fitopatologia   Divisão celular

Resumo

O cancro cítrico é uma doença que afeta os citros de importância econômica e é causado pela bactéria Gram-negativa Xanthomonas citri subsp. citri (X. citri). A infecção por X. citri produz necroses nas plantas, principalmente nas áreas foliares, podendo levar à uma diminuição da produção e qualidade do fruto, além da debilitação da árvore. Frutos sintomáticos podem até ser utilizados para extração de suco, porém, não servem para mercado de mesa. Por ser uma doença incurável, o cancro deve ser evitado mediante erradicação de plantas doentes ou técnicas de manejo que evitam o espalhamento da bactéria pelos pomares. Neste sentido, o conhecimento da biologia do patógeno representa uma das armas para se controlar a doença. Nosso grupo iniciou há praticamente 10 anos pesquisa sobre o processo de divisão celular de X. citri, com o intuito de perturbá-lo e inibir o crescimento da bactéria. Desenvolvemos compostos que atacam a principal proteína formadora do septo divisional, e estamos no momento trabalhando em formulação que possa ser utilizada como alternativa ao cobre, único bactericida utilizado para refrear e/ou conter o avanço da bactéria no campo. Na presente proposta gostaríamos de caracterizar uma ORF hipotética de X. citri que aparentemente está envolvida com divisão celular. Esta ORF (3407) foi identificada em experimentos de interação proteína-proteína realizado por nosso grupo, onde utilizamos como isca outra proteína, ZapA, que faz parte do septo divisional e tem papel na sua formação e estabilização. Se confirmarmos a participação de 3407 no processo de divisão, seu produto pode vir a ser novo alvo para o desenvolvimento de antimicrobianos