Busca avançada
Ano de início
Entree

Alterações histopatológicas do intestino de hamsters infectados experimentalmente por Leishmania (Leishmania) chagasi

Processo: 18/04869-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2018
Vigência (Término): 31 de maio de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Renata de Britto Mari
Beneficiário:Sarah Kymberly Santos de Lima
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB-CLP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental do Litoral Paulista. São Vicente , SP, Brasil
Assunto(s):Epidemiologia   Leishmaniose visceral   Leishmania infantum   Sistema digestório   Hamsters   Mesocricetus auratus   Histopatologia   Imuno-histoquímica   Delineamento experimental

Resumo

A leishmaniose visceral (LV) é uma doença infecciosa causada pelo protozoário parasita pertencente a espécie Leishmania (L.) chagasi. Esta doença tem grande importância para saúde pública pois acomete animais silvestres, domésticos e seres humanos, principalmente crianças cujo sistema imunológico não está totalmente desenvolvido ou indivíduos com imunodeficiência adquirida (HIV), levando a óbito 90% dos casos não tratados. À medida que a doença avança, vários órgãos são atingidos, entre eles o baço, fígado e o tratogastrintestinal, ocasionando uma série de alterações morfofiosiológicas e histopatológicas, comprometendo a fisiologia dos órgãos infectados, e, portanto, quebra da homeostasia. Sendo assim este trabalho tem o intuito de investigar evolutivamente as alterações histológicas que ocorrem no intestino delgado e grosso de hamsters dourados (Mesocricetus auratus) infectados por L. chagasi e correlacioná-las ao parasitismo tecidual. Dessa forma, os animais serão infectados experimentalmente pela via intraperitoneal com formas promastigotas de L. chagasi. Passados 30, 60 e 90 dias de infecção (PI), os animais serão eutanasiados, o parasitismo do baço, fígado e intestino será quantificado através de unidades Leishman-Donovan e imunohistoquímica. As alterações histopatológicas intestinais serão avaliadas utilizando cortes histológicos corados por hematoxilina-eosina (HE), ácido periódico de Schiff (PAS) e alcian blue pH 2,5.