Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação e quantificação dos genes de resistência a antimicrobianos no microbioma de aves marinhas do litoral Sul-Sudeste do Brasil

Processo: 16/20956-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2018
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Jose Luiz Catao Dias
Beneficiário:Ana Carolina Ewbank
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/25885-9 - Identificação e quantificação de genes de resistência a antimicrobianos no microbioma de aves marinhas de vida livre do Brasil: como impactos antropogênicos afetam esses parâmetros?, BE.EP.DR
Assunto(s):Microbiologia   Microbiota   Fezes   Ecossistemas marinhos   Aves aquáticas   Litoral   Região Sul   Região Sudeste   Brasil   Técnicas de diagnóstico molecular   Reação em cadeia da polimerase em tempo real

Resumo

A emergência das resistências a antimicrobianos é considerada uma ameaça para a saúde humana e animal. A contaminação ambiental por antimicrobianos pode promover, por meio de transferência horizontal, o intercâmbio de genes entre bactérias ambientais não patogênicas e patogênicas. A consequente remodelação dos microbiomas existentes gera mudanças evolutivas e ambientais, que associados à sua capacidade de disseminação, faz com que Genes de Resistência Antimicrobiana (GRAs) sejam considerados poluentes ambientais. Aves marinhas respondem rapidamente às alterações ambientais, sendo excelentes bioindicadores da saúde do ecossistema marinho. Centros de reabilitação de fauna selvagem possuem papel pouco conhecido sobre a possível disseminação de bactérias apresentando genes de patogenicidade e GRAs, tanto em seu ambiente interno quanto para o meio externo, após a soltura desses animais. O presente projeto visa contribuir para o entendimento do grau de interferência humana no ecossistema marinho por meio da avaliação da presença, identificação e posterior quantificação de GRAs selecionados (tetA, tetB, tetY, tetK, tetM, tetQ, sulI, sulII, str, aadA, catI, catII, erm(B), erm(F), qnrB, qnrS, blaCTX, blaTEM, mecA e mcr-1) presentes em plasmídeos no microbioma de aves marinhas de vida livre de dois grupos distintos: admitidas em centros de reabilitação da costa sul brasileira e espécimes residentes em colônias do litoral Sudeste brasileiro. Para tanto, será realizada PCR em tempo real de amostras de fezes frescas (enema) coletadas: (I) no momento da admissão do indivíduo no centro de reabilitação; (II) 24 horas após o início do tratamento antimicrobiano; (III) 24 horas após o término do tratamento antimicrobiano e (IV) no momento da soltura, e de colônias de E. coli armazenadas no Laboratório de Patologia Comparada de Animais Selvagens - LAPCOM/FMVZ/USP. O objetivo desse estudo é estabelecer o grau de contaminação ambiental por estes genes apresentado pelas aves em seu habitat natural/momento da admissão, assim como a influência do tratamento antimicrobiano e/ou permanência nos centros de reabilitação sobre a presença e quantidade de GRAs. (AU)