Busca avançada
Ano de início
Entree

Largo da Banana: território negro e urbanização em São Paulo (1875-1958)

Processo: 16/26239-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Eduardo Alberto Cusce Nobre
Beneficiário:Renata Monteiro Siqueira
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Espaço urbano   Relações étnicas e raciais   Século XIX   São Paulo (SP)

Resumo

Nesta pesquisa, recupera-se a memória do Largo da Banana, que existiu nos arredores da estação de trem da Barra Funda, em São Paulo, no período entre a inauguração da estação ferroviária da Barra Funda, em 1875, e a construção do Viaduto Pacaembú, em 1958. Até meados do século XX, aquele foi um espaço público com intensa presença da população negra e de realização de práticas culturais afro-brasileiras, como rodas de samba e de tiririca, assim como de cordões carnavalescos. Entretanto, a partir de 1950, obras ligadas ao processo de crescimento e de intensificação da urbanização da capital paulista alteraram o cotidiano daquele local. Em 1958, aquela área de várzea deu lugar ao Viaduto Pacaembu, eliminando o espaço de sociabilidade negra e levando ao apagamento da sua memória. Esta pesquisa assenta-se na hipótese de que, nos espaços ainda não urbanizados da cidade de São Paulo, foi possível a formação de alguns territórios de sociabilidade negra. A partir do momento em que essas áreas passaram a integrar os planos de urbanização da cidade, a permanência da população negra não foi levada em consideração e foi tornada inviável. Com isso, a população negra não apenas foi expulsa dessas áreas, mas também não foi considerada no equacionamento do conjunto de demandas a serem contempladas no âmbito do urbanismo. Neste trabalho, observam-se esses conflitos a partir de um lugar específico - o Largo da Banana - recorrendo ao cruzamento de fontes diversas, como artigos de imprensa, projetos urbanísticos e letras de samba, com vistas a analisar a sociabilidade negra, o processo de expulsão e as formas de resistência que essa população adotou em seu cotidiano. Com isso, pretende-se fazer emergir a problemática racial nos estudos urbanísticos, tema que ainda merece ser aprofundado nesse campo disciplinar. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
RENATA MONTEIRO SIQUEIRA. O Largo da Banana e a presença negra em São Paulo. An. mus. paul., v. 28, p. -, 2020.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.