Busca avançada
Ano de início
Entree

Dissecar o mecanismo molecular para ativação do receptor serpentino 12 de Plasmodium Falciparum em sistemas de mamíferos

Processo: 18/06729-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado Direto
Vigência (Início): 03 de setembro de 2018
Vigência (Término): 02 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Célia Regina da Silva Garcia
Beneficiário:Pedro Henrique Scarpelli Pereira
Supervisor no Exterior: Michel Bouvier
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Université de Montréal, Canadá  
Vinculado à bolsa:17/16307-9 - Dissecar o papel da divisão mitocondrial no controle do ciclo celular de P. falciparum e perfil de resistência a drogas em cepas resistentes, BP.DD
Assunto(s):Transdução de sinais   Plasmodium   Malária   Receptores acoplados a proteínas-G

Resumo

O projeto aqui descrito visa a caracterização do receptor serpentino 12 (PfSR12) de parasitas do Plasmodium falciparum. Diferentemente do que foi descrito na literatura por experimentos de bioinformática que mostraram PfSR12 como um receptor purinérgico, não observamos liberação de Ca2 + em nosso sistema HEK297T após tratamentos com purina, mas observamos uma resposta estatisticamente significativa na liberação de Ca2 + após a adição de trombina à cultura celular . As indicações de que PfSR12 seria um receptor de trombina são de grande importância, uma vez que proteínas parasitas capazes de interagir com moléculas do sistema de coagulação do hospedeiro ainda não são conhecidas e a presença de receptores ativados por proteases é extremamente rara. Após a identificação da trombina como ligante para PfSR12, verificamos a ação dessa proteína em uma cultura in vitro de P. falciparum. A suplementação do meio de cultura com trombina não alterou a duração do ciclo do parasito, o tempo total de cada estágio do ciclo nem a morfologia do parasito. No entanto, um aumento na parasitemia foi observado em culturas incubadas com trombina quando comparadas com culturas não suplementadas. Temos razões para acreditar que a trombina interage diretamente com o parasita, influenciando o processo de saída / invasão de novas células. A ação da trombina pode ser mediada pelo PfSR12, que induz uma cascata de sinalização que culmina em uma maior eficiência do processo de invasão / saída, ou mesmo na formação de novas células. Os experimentos descritos neste projeto nos permitirão definir aspectos moleculares da via de sinalização da trombina e SR12.