Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de pró-fármacos recíprocos potenciais para o tratamento de carcinoma de pulmão de não pequenas células

Processo: 18/10372-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de junho de 2018
Vigência (Término): 31 de maio de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Marcio Henrique Zaim
Beneficiário:Flávio Aparecido dos Santos Pereira
Empresa:Alchemy Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ltda
Vinculado ao auxílio:17/50060-0 - Desenvolvimento de pró-fármacos recíprocos potenciais para o tratamento de carcinoma de pulmão tipo não pequenas células, AP.PIPE
Assunto(s):Neoplasias pulmonares   Pró-fármacos   Antineoplásicos   Triclosan

Resumo

No Brasil, a estimativa para 2016 é de 596.070 novos casos de câncer diagnosticados. O câncer de pulmão, particularmente, é devastador e considerado um problema cada vez mais importante e prioritário de saúde pública nacional e mundial. As despesas anuais por paciente em tratamento chegam a U$ 45,000 em média, que não refletem em benefício terapêutico importante para os pacientes. O prognóstico do câncer de pulmão é ruim e apresenta a maior taxa de morte em todo o mundo, sendo o carcinoma tipo não pequenas células (NSCLC, Non-Small Cell Lung Cancer) responsável por mais de 80 % da incidência da doença. Tal insucesso justificaria a necessidade urgente de desenvolvimento de novos agentes antitumorais. A estratégia de pró-fármacos tem como vantagens o incremento do perfil farmacocinético, de seletividade, de estabilidade química, redução de toxicidade e prolongamento de ação. Pró-fármacos recíprocos (quando o transportador também tem ação terapêutica) constituem estratégia racional quando há sinergismo de ação, que é o caso da presente proposta. A viabilidade sintética e o potencial de se tornar um candidato a fármaco antitumoral foram demonstrados no projeto PIPE-Fase 1 (9 meses) para um dos pró-fármacos recíprocos propostos, cuja estrutura é formada por um inibidor da enzima enoil-acp (acyl-carrier protein) redutase e um composto já descrito como potencialmente antitumoral. A elaboração do pedido de patente de pró-fármaco obtido na Fase 1 já está em desenvolvimento. Espera-se nesta etapa (Fase 2) da proposta (I) otimizar o processo de síntese química do pró-fármaco recíproco (triclosana/espaçante/O-fosfocolamina) e desenvolver estudos de escalonamento (scale-up); (II) produzir tal composto ativo seguindo as normas de Boas Práticas de Laboratório/Fabricação empregando o processo estabelecido para o escalonamento, com elaboração de monografia de qualidade (Drug Master File, DMF); (III) desenvolver estudos in vitro para avançar no entendimento do mecanismo de ação tanto dos dois compostos ativos isolados (triclosana e O-fosfocolamina), como do pró-fármaco recíproco; (IV) desenvolver estudos de previsão de toxicidade in silico e simulações com modelo molecular de membrana para verificar a interação ligante-membrana; (V) desenvolver estudos de toxicidade in vivo em um tipo de roedor (camundongos), a fim de viabilizar a terceira fase do projeto e possibilitar o estabelecimento de parcerias no processo de desenvolvimento para os estudos pré-clínicos e estudos clínicos de fase I. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.