Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do papel da enzima sepiapterina redutase na proliferação de células de melanoma

Processo: 18/06923-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2018
Vigência (Término): 30 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Fabiana Henriques Machado de Melo
Beneficiário:Catarina Ji Yeun Kim
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Oncologia   Melanoma   Proliferação celular   Poliaminas   Ornitina descarboxilase

Resumo

A incidência do melanoma vem crescendo nos últimos anos devido ao aumento da expectativa de vida e da maior exposição aos raios ultravioleta. O melanoma é um câncer extremamente agressivo, apresentando alta taxa de metástases e consequentemente grande mortalidade. O diagnóstico tardio, a carência de marcadores tumorais e a ineficiência das terapias disponíveis são os principais fatores associados à alta letalidade. A alta capacidade proliferativa das células de melanoma está associada a alteração de inúmeras proteínas, entre elas, fatores de crescimento, proteínas de sinalização e reguladores do ciclo celular. Entre os reguladores do ciclo celular alterados, estão as poliaminas, cátions alifáticos que tem papel importante no controle da proliferação, diferenciação e apoptose. A enzima limitante na síntese de poliaminas, a ornitina descarboxilase, também apresenta expressão e atividade alteradas ao longo da carcinogênese, contribuindo para a progressão tumoral. Recentemente, foi mostrado que a interação da ornitina descarboxilase com a enzima sepiapterina redutase aumenta a síntese de poliaminas, contribuindo para o crescimento das células de neuroblastoma. Em células de melanoma já foi mostrado aumento da expressão e da atividade da ornitina descarboxilase com consequentemente aumento da concentração de poliaminas. Dados do nosso grupo mostraram aumento da expressão da sepiapterina redutase em linhagens de melanoma e sua relação com a menor sobrevida de pacientes, no entanto, não sabemos qual o significado desse aumento para as células de melanoma. Portanto, o objetivo do trabalho é avaliar se em melanomas, a sepiapterina redutase regula a atividade da ornitina descarboxilase, levando ao aumento de poliaminas e consequentemente da proliferação celular. (AU)