Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de nanocompósitos magnéticos para tratamento oncológico

Processo: 18/05422-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2018
Vigência (Término): 31 de maio de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica - Engenharia Médica
Pesquisador responsável:Rondinelli Donizetti Herculano
Beneficiário:Letícia Crippa Asenha
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Bioengenharia   Células tumorais   Hipertermia   Nanopartículas magnéticas   Nanocompósitos   Citotoxicidade   Microscopia eletrônica de transmissão

Resumo

Nanopartículas magnéticas tem se mostrado promissoras em terapias contra cânceres com a técnica de hipertermia, tanto por gerar calor apenas em tumores, com a capacidade de se acumular no local desejado, quanto por células sadias suportarem o calor mais que as tumorais, em que com uma temperatura em torno de 42ºC ocorre a análise das células cancerígenas, enquanto as células sadias permanecem viáveis. Assim, promove a possível cura do paciente, sem gerar os diversos efeitos colaterais dos tratamentos tradicionais. Estas nanopartículas podem estar associadas a um carreador, como os lipossomos que são capazes de aumentar sua biocompatibilidade e biodegradabilidade, além de poderem ser modificados com associação de compostos hidrofílicos, como polímeros, possibilitando longa duração na circulação e, assim, mais tempo na procura do tumor. Desta forma, este projeto tem como objetivo o desenvolvimento de nanopartículas magnéticas, de tamanhos próximos aos críticos, com poder supermagnético, encapsulados por lipossomos PEGylados, de tamanhos que sejam capazes de se acumularem apenas em regiões tumorais, com o propósito de tratar o câncer por hipertermia. Para isto, tanto as nanopartículas não encapsuladas quanto os nanocompósitos magnéticos serão caracterizados por microscopia eletrônica de transmissão (TEM), espectrometria de infravermelho por Transformada de Fourier (FTIR) e difração de raio-X (DRX). A caracterização biológica será realizada por ensaios de citotoxicidade indireta (MTT) e testes de transfecção das nanopartículas magnéticas em cultura celular tumoral.