Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do uso do solo em riachos: os metais escoados pela mineração retornam ao ambiente terrestre através da emergência e dispersão de insetos aquáticos? Uma abordagem isotópica

Processo: 18/07806-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Luiz Antonio Martinelli
Beneficiário:Fernanda Gaudio Augusto
Supervisor no Exterior: Manuel Augusto Simões Graça
Instituição-sede: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidade de Coimbra (UC), Portugal  
Vinculado à bolsa:16/07266-4 - Alterações na fauna de macroinvertebrados aquáticos em riachos de cabeceira causadas pelas mudanças na cobertura e uso do solo da Floresta Estacional Semidecidual da região Centro-Leste do Estado de São Paulo, BP.DR
Assunto(s):Poluição ambiental   Poluição da água   Impactos ambientais   Isótopos   Gerenciamento de resíduos   Ecossistemas aquáticos   Riachos

Resumo

As atividades antrópicas causam o aumento das concentrações de poluentes no meio ambiente. Estes podem interferir no fluxo de energia e nutrientes e, consequentemente, colocar em risco ecossistemas aquáticos e terrestres. Poluentes metálicos têm sido motivo de grande preocupação devido à sua persistência ambiental, toxicidade e capacidade de incorporação em redes alimentares. A mineração é uma atividade econômica importante no mundo, mas resulta em grandes quantidades de resíduos, especialmente as concentrações de metais nos ecossistemas aquáticos. Os invertebrados aquáticos são utilizados para avaliar impactos ecológicos em riachos que enfrentam contaminação por metais. Eles têm um papel fundamental na transferência de energia nos sistemas de água doce e terrestre e podem contribuir substancialmente para a dieta dos predadores ribeirinhos. Desta forma, insetos emergentes de riachos poluídos podem atuar como dispersores de poluentes da água para a terra. O uso de isótopos estáveis pode ser uma ferramenta útil para entender como os metais se movem ao longo da cadeia alimentar. Ao comparar a composição isotópica e a concentração de metais nos organismos, é possível descobrir se o contaminante foi biomagnificado ou biodispersado ao longo da cadeia alimentar. O objetivo deste estudo é investigar se os insetos que habitam córregos contaminados por metais pesados de minas se acumulam e dispersam esses metais para a terra. Vamos selecionar riachos em cinco áreas de referência e cinco áreas poluídas. Estes estão localizados perto da cidade de Coimbra na região central de Portugal. Vamos amostrar (i) os invertebrados aquáticos com redes de mão (rede D), (ii) os insetos emergentes usando armadilhas flutuantes e (iii) predadores terrestres (aranhas ripárias) à mão ou frascos de plástico. Vamos identificar e classificar os organismos em grupos taxonômicos (família ou gênero) e de alimentação (grupos tróficos funcionais). Também vamos amostrar as fontes potenciais de alimento e os parâmetros físico-químicos da água. Os riachos poluídos serão comparados com os de referência para estudar os processos de bioacumulação, biomagnificação e biodispersão. Queremos entender a relação entre a posição trófica e a concentração dos metais nos riachos contaminados para entender se os metais aumentam, diminuem ou se não há mudança nos consumidores à medida que subimos na cadeia alimentar. Também pretendemos entender como os insetos emergentes dispersam metais na interface aquático-terrestre através da predação desses insetos emergentes. Portanto, os insetos aquáticos emergentes são importantes para ligar os ambientes de água doce e terrestre, por isso é importante entender seu papel na dispersão de poluentes para outros ambientes. (AU)