Busca avançada
Ano de início
Entree

Fosfatos nanométricos dispersos em ureia na eficiência agronômica de fósforo em solo oxídico

Processo: 18/01444-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2018
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Dirceu Maximino Fernandes
Beneficiário:Heitor Pontes Gestal Reis
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Fertilidade do solo   Solo tropical   Nutrição vegetal   Fosfatos   Ureia   Fósforo   Nanocompósitos   Hidroxiapatita   Fertilizantes

Resumo

O Fósforo (P) é um importante macronutriente responsável pelo crescimento e produção de culturas agrícolas. Desenvolver práticas eficientes de fertilização tornou-se cada vez mais importante devido à crescente demanda global por alimentos. Cerca de 80-90% de P aplicado como fertilizante é perdido para o ambiente ou ligado quimicamente no solo, portanto não disponível para plantas. Os fertilizantes nanopartículados apresentam um potencial para melhoraria na eficiência de P, com base na hipótese de que as partículas de tamanho nanométrico apresentam maior mobilidade e disponibilidade no solo. No entanto, um desafio a ser superado é desenvolvimento de estratégias para manter partículas de fosfatos em escala nanométricas e evitar sua aglomeração. Estudos recentes têm demostrado que a ureia fertilizante apresenta potencial como matriz para dispersão de fosfatos minerais, evitando a aglomeração das partículas, aumentando a solubilidade e alterando a dinâmica do P no solo. Portanto, a proposta central deste trabalho será processar e caracterizar nanocompósitos baseado na dispersão de hidroxiapatita (Hap) (utilizada como fonte modelo de fosfatos minerais) ou superfosfato triplo (TSP) em matriz de ureia e avaliar os aspectos agronômicos relacionados a dinâmica do P e N no solo e suprimento destes nutrientes às plantas. A preparação do novo fertilizante será baseada no processo de extrusão, a partir de frações de Hap ou ST moídas até faixas nanométricas e dispersas na matriz de ureia por este método. A seguir, será realizada a caracterização dos nanocompósitos, seguidas de avaliações da disponibilidade e dinâmica de P e N no solo, além da disponibilidade destes nutrientes às plantas. A compreensão do sinergismos e interação da ureia com as partículas de fosfatos poderá fornecer subsídios para o desenvolvimento de fertilizantes mais eficientes e sustentáveis, com implicações diretas na nutrição mineral de plantas e por fim, na produção de alimentos. (AU)