Busca avançada
Ano de início
Entree

A relação entre morfotipo, eficiência de forrageamento e uso de micro-habitats por girinos em uma abordagem experimental

Processo: 18/04611-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Teórica
Pesquisador responsável:Denise de Cerqueira Rossa-Feres
Beneficiário:Ynaiá Yamanaka Marques
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia de comunidades   Comportamento de forrageamento animal   Habitats de inovação   Girinos   Análise morfológica   Delineamento experimental

Resumo

A classificação dos girinos em guildas ecomorfológicas é normalmente baseada na análise das características morfológicas das espécies e o local onde elas são coletadas no habitat. Entretanto, muitas vezes os caracteres morfológicos são considerados atributos funcionais sem que a sua função tenha de fato sido verificada. Além disso, o uso de micro-habitats por girinos pode ser influenciado por diversos fatores, envolvendo uma maior complexidade nas classificações. Neste contexto, nosso objetivo é testar experimentalmente se o morfotipo está relacionado com a preferência por micro-habitats. Hipotetizamos que a variação morfológica entre as espécies está relacionada com o micro-habitat que os girinos mais utilizam e também onde mais forrageiam, e que o uso de micro-habitats varia em relação ao período do dia, à cobertura de vegetação e de acordo com a disponibilidade de alimento. Para isso, o uso de micro-habitat será avaliado em girinos de duas espécies (bentônica e nectônica) em um sistema experimental que consiste em aquários com duas profundidades e áreas com e sem vegetação. A quantidade de girinos em cada região dos aquários será contabilizada nos períodos diurno e noturno, por registros em vídeo, na ausência e na presença de alimento (oferecido em três profundidades no eixo vertical da coluna d'água). Além disso, a quantidade de alimento consumido em cada profundidade da coluna d'água será quantificada. Esperamos que os girinos bentônicos utilizem preferencialmente locais sem vegetação junto ao fundo do ambiente, em área profunda durante o dia e rasa à noite; e que os girinos nectônicos utilizem a coluna d'água da área profunda independente do período do dia, e que se refugiem na vegetação; e que girinos de ambas as espécies fiquem mais dispersos na ausência de alimento.