Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da Parilação e do Desequilíbrio Mitonuclear e da UPRmt na Musculatura Esquelética de Camundongos em Overtraining.

Processo: 18/04192-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia do Esforço
Pesquisador responsável:Eduardo Rochete Ropelle
Beneficiário:Barbara Moreira Crisol
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/22512-0 - Efeitos da restrição calórica e do exercício físico sobre o mecanismo de agregação proteica no músculo esquelético., BE.EP.DR
Assunto(s):Músculo esquelético   Exercício físico   Overtraining

Resumo

Longos períodos de treinamento físico de alto volume e/ou intensidade podem desencadear a chamada síndrome do overtraining em atletas. A perda da capacidade do organismo em se recuperar entre as sessões de treinamento, pode contribuir de maneira significativa para o desenvolvimento do overtaining. Durante o processo de overtraining, a musculatura esquelética apresenta diversas anormalidades, com destaque para, danos à diversas estruturas celulares, incluindo o DNA, o aumento do estresse oxidativo e redução da capacidade oxidativa e de produção de energia, levando os atletas à queda significativa de rendimento. As Poly [ADP-ribose] polymerases (PARPs) são proteínas envolvidas especialmente no reparo do DNA. Quando ativadas em resposta ao dano gerado ao DNA, as PARPs induzem a parilação de diversas proteínas envolvidas no reparo do DNA. Contudo, a ativação das PARPs gera um consumo excessivo de NAD+, gerando diversos efeitos deletérios para as células eucarióticas, principalmente no que diz respeito à produção de energia. Estudos recentes demonstram que ininidores de PARP geram a abundância dos níveis de NAD+ induzindo potentes sinais para para as mitocôndrias, promovendo aumento da capacidade oxidativa e aumento da biogênese mitocandrial, dentre esses sinais destacam-se, a indução do "desequilíbrio mitonuclear" e a ativação da UPRmt, do inglês mitochondrial unfolded protein response. O "desequilíbrio mitonuclear" e a UPRmt são mecanismos altamente conservados entre as espécies e essenciais para reestabelecer a proteostase dentro das mitocôndrias, permitindo com que as células sobrevivam em situação de estresse. Neste cenário aventamos a hipótese de que o dano muscular gerado pelo excesso de treinamento físico poderia estimular a ativação das PARPs, reduzindo a disponibilidade de NAD+ assim como, a capacidade das células musculares responderem ao estresse por meio do "desequilíbrio mitonuclear" e da ativação da UPRmt na musculatura esquelética. Assim, o objetivo do atual projeto, será avaliar a ativação da PARP1, o "desequilíbrio mitonuclear" e a UPRmt no músculo esquelético de camundongos overtreinados.