Busca avançada
Ano de início
Entree

Variantes alélicas das roptrias ROP18 e ROP5 de t. gondii em casos de toxoplasmose congênita: associação com a patogenicidade em camundongos e o desfecho clínico

Processo: 18/06482-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Thelma Suely Okay
Beneficiário:Larissa Gabrielle Lima de Araújo Curval
Instituição-sede: Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (IMT). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Toxoplasmose   Toxoplasmose congênita   Sequenciamento   Reação em cadeia por polimerase (PCR)

Resumo

A toxoplasmose afeta ao menos um terço da população mundial e costuma ser benigna, com exceção da infecção em pacientes com algum grau de deficiência do sistema imune e em fetos e recém-nascidos devido a imaturidade imunológica. A gravidade da toxoplasmose congênita é influenciada por vários fatores tais como a idade gestacional na qual o feto foi infectado, a susceptibilidade genética do hospedeiro, a carga parasitária em líquido amniótico e possivelmente o genótipo do parasito. Dentre as técnicas de genotipagem, a mais utilizada é a multilocus-nested-PCR de 11 marcadores, porém nem todos os marcadores amplificam amostras positivas em testes diagnósticos, além destes marcadores gerarem número excessivo de genótipos na América do Sul, sem associação com a gravidade das infecções. Na tentativa de melhorar a eficiência e a resolutividade da genotipagem de T. gondii, propomos o desenvolvimento de 3 nested-PCR de sequências das roptrias 18 e 5 seguidas de sequenciamento de Sanger, em lugar de duas RFLP realizadas com 4 enzimas de restrição (digestões duplas). Serão então testadas 315 amostras biológicas (líquido amniótico, sangue fetal, placenta, sangue de recém-nascido, líquor, fluido ocular) de casos confirmados de toxoplasmose congênita pertencentes a um biorrepositório. Para os alelos encontrados na ROP18 e ROP5 verificaremos qual foi a patogenicidade descrita em camundongos e qual foi o desfecho da infecção nas gestantes e recém-nascidos (determinado por acompanhamento das gestantes até o parto e das crianças por 12 meses). Também se pretende comparar a eficiência e resolutividade das amplificações de ROP18 e ROP5 em relação a alguns dos marcadores usados na multilocus-nested-PCR-RFLP, notadamente 5' e 3' SAG2, SAG3 e GRA6.