Busca avançada
Ano de início
Entree

Vulnerabilidade social: pensar as políticas públicas de saúde e desenvolvimento social e os modos espaciais de existência

Processo: 18/08454-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Humana
Pesquisador responsável:Raul Borges Guimarães
Beneficiário:Filipe Antunes Lima
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/18509-3 - Vulnerabilidade social, condições de vida e políticas públicas: determinantes sociais da saúde de idosos francófonos canadenses em situação minoritária, BE.EP.DR
Assunto(s):Geografia da saúde   Vulnerabilidade social   Desenvolvimento social   Saúde

Resumo

A crescente urbanização mundial tem produzido modos espaciais de existência precários, favorecendo a formulação do conceito vulnerabilidade social. Esse fenômeno, como parte da produção e reprodução do capital no período atual, se intensificou vastamente nos países do capitalismo periférico, como no caso do Brasil. O presente projeto surgiu da necessidade de compreender esses modos espaciais de existência do ponto de vista da geografia, uma vez que a vulnerabilidade social tem sido um conceito abordado outras ciências sociais, mas na Geografia carece de uma sistematização. Por esse motivo, este trabalho tem como objetivo analisar a vulnerabilidade social à luz dos conceitos geográficos; caracterizando a condição de vida dos sujeitos que vivem sob influência dessa vulnerabilidade intensa; compreender a percepção desses sujeitos a respeito da vulnerabilidade social em seus territórios; e por fim, estabelecer as relações entre vulnerabilidade social, território e os sujeitos. Para isso, foram selecionadas duas áreas consideradas de vulnerabilidade social, uma em Londrina - PR e outra em Presidente Prudente - SP. Nessas áreas serão realizadas coletas de dados quantitativos, principalmente, da saúde e do desenvolvimento social. Paralelamente a isso, serão conduzidas entrevistas através de roteiros semiestruturados com os sujeitos que vivem nessas áreas, com base em metodologias de análise do discurso da Teoria Fundamentada. Ainda será produzido um mapa participativo da vulnerabilidade social com a comunidade, buscando-se correlacionar informações da realidade, de maneira a se ter um produto mais compreensivo da questão social brasileira do ponto de vista dos sujeitos que vivem e reproduzem modos espaciais de existência precários.