Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do Efeito Anestésico Sinérgico da Estimulação Transcraniana com corrente elétrica pulsada (tPCS) em Pacientes Ambulatoriais Submetidos a Litotripsia Extracorpórea: Ensaio Clínico Randomizado, Duplo-cego e Placebo-controlado.

Processo: 18/00234-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Vigência (Término): 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Maria José Carvalho Carmona
Beneficiário:Gustavo Rosa Gameiro
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anestesiologia   Anestesia geral

Resumo

INTRODUÇAO: O uso de estimulação cerebral para promover anestesia geral, utilizada na primeira metade do século XX, foi totalmente substituída pelo uso de fármacos. Atualmente, a maioria dos anestésicos é de curta duração e apresenta metabolização e eliminação seguras. Entretanto, além dos efeitos cardiovasculares, a anestesia geral está relacionada à ocorrência de disfunção cognitiva pós operatória e possível interferência na evolução de casos de câncer. As técnicas atuais de neuroestimulação utilizadas no tratamento da dor crônica e depressão, dentre outras indicações em estudo, sugerem um possível efeito sinérgico da estimulação transcraniana com corrente pulsada (tPCS) sobre o nível de sedação e de analgesia durante procedimentos anestésicos. A litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO) é procedimento doloroso e que necessita completa imobilidade do paciente, sendo a anestesia geral preferível à sedação. Hipotetizou-se que o uso de tPCS pode reduzir o consumo de remifentanil e propofol em pacientes submetidos a LECO. O objetivo deste estudo é: 1) avaliar se existe um efeito anestésico sinérgico da tPCS sobre o consumo de remifentanil e propofol em pacientes submetidos a anestesia geral para LECO. 2) avaliar a influência da anestesia geral, com e sem o uso de tPCS, nos achados do eletroencefalograma e na avaliação cognivita proposta. CASUÍSTICA E MÉTODOS: conforme aprovação pela Comissão de Ética institucional, serão avaliados 40 pacientes entre 18 e 60 anos ASA I-II candidatos a sessões de LECO. Os participantes serão avaliados em relação ao estado cognitivo e submetidos a tPCS e anestesia geral com remifentanil e propofol. No dia do procedimento os pacientes serão alocados aleatoriamente em dois grupos: GRUPO tPCS: 20 minutos antes da indução anestésica será realizada estimulação cerebral de intensidade de 2mA e frequência de 6-10Hz, durante 20 minutos com eletrodos posicionados nos lobos das orelhas. GRUPO controle: será estimulado por apenas 1 minuto, com os mesmos parâmetros do grupo tPCS, e permanecerá os outros 19 minutos em repouso, sem estímulo, antes da indução anestésica. A randomização será feita utilizando o site da internet randomizer.com e as alocações definidas serão guardadas em envelopes opacos que serão abertos após a admissão dos indivíduos à sala de procedimento. Haverá "cegamento" dos sujeitos da pesquisa e do anestesista responsável pelo procedimento. Para a realização da tPCS (ativo ou placebo) o paciente será mantido confortavelmente deitado na mesa cirúrgica de realização da LECO. Além da monitorização habitual para o procedimento anestésico, para contorlar o nível de consciências e profundidade anestésica será utilizado o monitor de BIS, com alvo de 50-60. Será realizado EEG qualitativo e quantitativo para detectar mudanças em potência média por teta, alfa e beta, e coerência inter-hemisférica para alfa e theta e quatro sub-bandas diferentes. Toda monitorização será mantida até 1 hora após o final do procedimento anestésico. A anestesia será induzida com propofol e remifentanil e mantida com propofol e remifentanil em infusão contínua realizada a critério do anestesiologista para manutenção do plano anestésico necessário para a LECO, objetivando a manutenção de BIS entre 50-60. A via aérea será mantida com utilização de máscara laríngea introduzida imediatamente após a indução anestésica. A administração de anestésicos será suspensa no momento do encerramento da LECO e o despertar da anestesia será analisada até uma hora após o procedimento. O desfecho primário será o consumo de propofol e remifentanil. Os desfechos secundários analisados serão o tempo e qualidade do despertar da anestesia, a variabilidade da frequência cardíaca, o padrão eletroencefalográfico ao longo do procedimento, a qualidade do despertar da anestesia, a dor pós procedimento e a avaliação cognitiva no sétimo dia após a litotripsia. A distribuição normal dos dados será testada por meio do teste de Kolmogorov-Smirnov.