Busca avançada
Ano de início
Entree

Trabalho, resistência e saúde do campesinato no Brasil e no México

Processo: 18/12944-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 10 de setembro de 2018
Vigência (Término): 09 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Humana
Pesquisador responsável:Marcelo Dornelis Carvalhal
Beneficiário:Angela dos Santos Machado
Supervisor no Exterior: Francisco Luciano Concheiro Borquez
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidad Autónoma Metropolitana, Xochimilco (UAM Xochimilco), México  
Vinculado à bolsa:17/11731-7 - Reestruturação produtiva canavieira e as implicações para a saúde dos assentados no Pontal do Paranapanema (SP), BP.MS
Assunto(s):Brasil   Questão agrária   Campesinato   México   Saúde   Trabalho   Geografia agrária

Resumo

O modelo hegemônico da agricultura, fundamentado na busca pelo lucro, na transformação de alimentos em commodities especuladas em bolsas de valores e sob o domínio de empresas transnacionais cujas matrizes se encontram nos países de capitalismo desenvolvido, tem imposto à América Latina uma forma de produção agrícola dependente e submissa ao mercado internacional provocando consequências para os pequenos produtores agrícolas. Tanto no México como no Brasil, pode-se perceber a necessidade dos campesinos empregarem sua força de trabalho excedente em trabalhos assalariados para conseguirem sobreviver. Essas ponderações fundamentam nossa preocupação em compreender a realidade dos campesinos, as condições de vida, de trabalho e de saúde, assim como suas lutas e resistências estabelecendo aproximações entre o campesinato do Pontal de Paranapanema (São Paulo, Brasil) e do Valle de San Quintín (Baja California, México).

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.