Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto da inibição da produção de prostaglandina cerebelar ou estradiol durante a segunda semana pós-natal em estado de ativação de microglia posterior

Processo: 17/23356-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia
Pesquisador responsável:Arielle Cristina Arena
Beneficiário:Andressa Rejani Ribeiro Leite
Supervisor no Exterior: Margaret Merryl McCarthy
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Maryland, Baltimore (UMB), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:17/03997-7 - Influência da exposição in útero e lactacional ao anti-inflamatório ibuprofeno: repercussão tardia em parâmetros reprodutivos masculinos, em ratos, BP.IC
Assunto(s):Neuroendocrinologia   Microglia   Dinoprostona   Desenvolvimento e evolução   Cérebro   Cerebelo

Resumo

Microglia está emergindo como importantes reguladores do desenvolvimento do cérebro. Esta célula responde e produz prostaglandina E2 (PGE2), criando um loop de feedback. A PGE2 está relacionada à inflamação, e a inflamação neural de início precoce é um risco ambiental líder para alguns distúrbios. A microglia tem um pico de "semi-ativação" durante a segunda semana pós-natal em cerebelo saudável. O desenvolvimento cerebelar envolve um perfil intrínseco de expressão gênica que cria uma vulnerabilidade à desregulamentação inflamatória. No cerebelo saudável, a PGE2 estimula a enzima aromatase levando ao aumento da produção de estradiol e à regulação do crescimento dos neurônios de Purkinje. A segunda semana pós-natal é um período sensível e o distúrbio desta via durante este período prejudica o desenvolvimento do neurônio de Purkinje e resulta em déficits comportamentais de longo prazo revelados pelo jogo social, cognição e limiares somatossensíveis. Assim, o objetivo deste estudo é compreender a progressão natural da transformação microglial no cerebelo eo papel que PGE2 e E2 desempenham nessa progressão. Para isso, os filhotes do sexo masculino e feminino receberão injeções de inibidores de COX (Indometacina, 0,5 ug / ul), aromatase (Formestane, 1,0 ug / ul) ou ambos diretamente no cerebelo em PN 8 e 10 e eutanásicos em PN11 ou PN17 . Os cérebros serão coletados e processados para a identificação imuno-histoquímica da microglia pela coloração com Iba1 seguido de categorização morfológica. Seções adicionais serão usadas para coloração de marcadores de microglia ativada, como arginase e manose. Os resultados deste estudo fornecerão uma visão importante sobre os reguladores endógenos do estado ativacional da microglia no cerebelo. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.