Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação sobre o papel das hnRNPs em oligodendrócitos e suas implicações na esquizofrenia

Processo: 17/25055-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:Daniel Martins-de-Souza
Beneficiário:Caroline Brandão Teles
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08711-3 - Desenvolvimento de um teste preditivo para medicação bem sucedida e compreensão das bases moleculares da esquizofrenia através da proteômica, AP.JP
Assunto(s):Proteômica   Maturação

Resumo

A esquizofrenia é um transtorno mental grave, incapacitante e incurável que acometecerca de 0,7% da população mundial. Dentre as inúmeras hipóteses que tentam explicar ascausas da esquizofrenia, a do neurodesenvolvimento propõe que uma combinação de distúrbiosgenéticos e ambientais são fundamentais no surgimento desse transtorno, geralmente no finalda adolescência/início da idade adulta. Já se foi demonstrado que existe uma desconectividadeno córtex pré-frontal de pacientes com esquizofrenia que tem sido associada a alterações nasubstância branca, nos oligodendrócitos e bainha de mielina. A mielina é produzida somentepelos oligodendrócitos maduros, portanto uma disfunção durante a maturação dessas célulaspoderia levar a uma alteração nos processos normais de mielinização, causando ahipomielinização observada em pacientes com esquizofrenia. Ainda, estudos recentes do nossogrupo sugerem o envolvimento do spliceossoma no transtorno. Apesar destes achados, estudosfuncionais são necessários para uma melhor conexão destes diferentes aspectos da doença,visando compreender a fisiopatologia da esquizofrenia de maneira integrada. Nesse contexto,o presente projeto propõe estudar o papel do spliceossoma na maturação dos oligodendrócitose sua relação com a esquizofrenia através da integração da transcriptômica e proteômica.Ademais, iremos avaliar o papel dos antipsicóticos (haloperidol, clozapina e aripiprazol) namaquinaria do spliceossoma em oligodendrócitos. O presente estudo contribuirá para mais umpasso no entendimento da fisiopatologia da esquizofrenia através da identificação de vias emoléculas-chave desse transtorno, que poderão servir como alvo para o desenvolvimento denovos e mais efetivos tratamentos, melhorando a qualidade de vida do paciente.