Busca avançada
Ano de início
Entree

Microbioma anfíbio: a primeira linha de defesa contra a infecção pelo quitrídio

Processo: 18/08650-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia
Pesquisador responsável:Luis Felipe de Toledo Ramos Pereira
Beneficiário:Daniel Christofer Medina Lopez
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/25358-3 - O fungo quitrídio no Brasil: da sua origem às suas consequências, AP.TEM
Assunto(s):Anura   Anfíbios   Microbiota

Resumo

Doenças infecciosas emergentes, em particular aquelas causadas por fungos, vem sendo consideradas a maior ameaça à biodiversidade. Nesse contexto, declínios mundiais e extinções de populações de anfíbios causados pela doença quitridiomicose, provem um excelente exemplo dos efeitos devastadores de uma doença infecciosa emergente causada por fungo. A quitridiomicose é uma doença de pele causada pelo fungo Batrachochytrium dendrobatidis (Bd), cujo efeito negativo nas populações de anfíbios vem sendo causado por um único genótipo altamente virulento, a linhagem panzoótica global (Bd-GPL). Surpreendentemente, estudos recentes identificaram genótipos menos virulentos do Bd com distribuições potencialmente restritas. Por exemplo, na Mata Atlântica brasileira, o gentótipo endêmico pode coocorrer e, em alguns casos, reproduzir, com a linhagem hipervirulenta Bd-GPL. Assim, a coocorrência de múlitiplas linhagens de Bd com diferentes graus de virulência na Mata Atlântica proporciona uma oportunidade única para determinar potenciais mecanismos que permitam a coexistência dos genótipos, e a influência na dinâmica da doença. Estudos recentes sobre a associação de comunidades bacterianas dos hospedeiros revelaram que os anfíbios abrigam uma comunidade bacteriana diversa e específica em suas peles e que algumas dessas bactérias são capazes de inibir o crescimento de Bd em ensaios in vitro. Consequentemente, vem aumentando o interesse em desenvolver uma abordagem terapêutica baseada em probióticos usando bactérias da microbiota cutânea de anfíbios para mitigar infecções pelo Bd na natureza. Como resultado de uma quantidade substancial de pesquisas explorando a potencial interação entre a microbiota cutânea dos anfíbios e o Bd foi determinado que as infecções por Bd podem alterar a estrutura dessa comunidade, e que essa comunidade bacteriana pode influenciar na susceptibilidade do hospedeiro ao Bd. Além disso, novas evidências sugerem que a habilidade de algumas bactérias em inibir o crescimento do Bd nos ensaios in vitro pode variar entre os genótipos de Bd e cepas de Bd-GPL. Entretanto, não existem estudos focando na variação da interação entre a microbiota cutânea e diferentes genótipos de Bd na natureza. A proposta desse estudo é usar o nosso conhecimento sobre a estrutura genética do Bd ao longo da Mata Atlântica com o objetivo de determinar em fina escala (nível local) o padrão de infecção dos diferentes genótipos de Bd (Bd-GPL, Bd-Brazil e híbridos) que coocorrem através dos habitats e hospedeiros. Além disso, considerando a variação da virulência entre os genótipos de Bd, nosso objetivo é determinar o grau em que esses genótipos diferem quanto a interação com as comunidades bacterianas da pele dos anfíbios.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DOS SANTOS, ROSATI COELHO; MOLINARI DE BASTIANI, VELUMA LALU; MEDINA, DANIEL; RIBEIRO, LUISA PONTES; PONTES, MARIANA RETUCI; LEITE, DOMINGOS DA SILVA; TOLEDO, LUIS FELIPE; DE SOUZA FRANCO, GILZA MARIA; LUCAS, ELAINE MARIA. HIGH PREVALENCE AND Low INTENSITY OF INFECTION BY BATRACHOCHYTRIUM DENDROBATIDIS IN RAINFOREST BULLFROG POPULATIONS IN SOUTHERN BRAZIL. Herpetological Conservation and Biology, v. 15, n. 1, p. 118-130, APR 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.