Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo fitoquímico e avaliação antimicrobiana da própolis marrom produzida por Apis mellifera L. a partir de Eucalyptus spp

Processo: 18/09601-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacognosia
Pesquisador responsável:Jairo Kenupp Bastos
Beneficiário:Bruna Luiza Dias Campaner
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/04138-8 - Realização de estudos químicos, analíticos, biológicos, farmacológicos e tecnológicos para preenchimento das lacunas no desenvolvimento do setor de própolis brasileiro, AP.TEM
Assunto(s):Fitoquímica   Própolis   Anti-infecciosos   Apis mellifica   Eucalipto

Resumo

A própolis é um produto resinoso produzido por abelhas da espécie Apis mellifera a partir de exsudatos e tecidos de plantas com adição de secreções salivares e cera das abelhas. Sua composição depende de diversos fatores, tais como época da coleta, espécie vegetal e flora da região. Diversas propriedades biológicas já foram reportadas para própolis. A composição química da própolis marrom produzida a partir da espécie de Eucalyptus spp tem sido pouco estudada, assim como sua atividade antimicrobiana. Considerando o potencial tanto medicamentoso quanto econômico da própolis de Eucalyptus, propõe-se o estudo fitoquímico por meio da obtenção de extratos hidroalcoólicos, seguido de fracionamento por partição líquido-líquido com solventes orgânicos e isolamento dos compostos majoritários utilizando-se diferentes modalidades cromatográficas, tais como coluna líquida a vácuo (CLV), colunas abertas com sílica gel, recristalizações e CLAE semipreparativa (CLAE/DAD). As substâncias isoladas serão analisadas por CLAE-UV-DAD em coluna analítica Polar-RP e identificados utilizando-me métodos espectroscópicos, principalmente RMN e espectrométricos. Os compostos isolados serão avaliados quanto à atividade antimicrobiana in vitro frente às bactérias Gram positivas, Gram negativas e leveduras.