Busca avançada
Ano de início
Entree

Imobilização de múltiplos potenciais biomarcadores, puros e obtidos a partir de biópsias líquidas, em estruturas metal-orgânicas (MOFs) para desenvolvimento de biossensores aplicados no diagnóstico e prognóstico de Câncer de cabeça e pescoço

Processo: 18/12194-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Clínica Odontológica
Pesquisador responsável:Adriana Franco Paes Leme
Beneficiário:Luciana Daniele Trino
Instituição-sede: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Diagnóstico   Prognóstico   Neoplasias de cabeça e pescoço   Biópsia líquida   Biomarcadores tumorais   Estrutura metal-orgânica   ELISA   Espectrometria de massas

Resumo

O Câncer de cabeça e pescoço é o sexto tipo de tumor maligno mais comum, sendo decisivo o diagnóstico em um estágio inicial para controlar sua progressão. Nesse sentido, a imobilização de biomarcadores para Câncer de cabeça e pescoço em nanomateriais apresenta-se como uma ferramenta poderosa para o diagnóstico e prognóstico da doença, possibilitando maior sucesso no tratamento dos pacientes. Dentre os tipos de nanomateriais destacam-se as estruturas metal-orgânicas (MOFs) por possuir diversos sítios ativos. Desta forma, esta proposta possui como objetivo imobilizar diferentes biomarcadores de Câncer de cabeça e pescoço simultaneamente, bem como proteínas de biópsias líquidas (saliva), em estruturas metal-orgânicas do tipo ZIF-8 e NMOF-1 a fim de desenvolver biossensores para diagnóstico e prognóstico da doença. Inicialmente serão empregados os potenciais biomarcadores C3, CFB, C4B, SERPINA1 e LRG1 verificados em saliva de pacientes com Câncer de boca em estudos prévios do nosso grupo. A imobilização dos biomarcadores em MOFs será avaliada por diferentes estratégias de interação antígeno anticorpo para melhorar sua especificidade. Os biossensores serão caracterizados pelo método eletroquímico ou espectrofotométrico. Além disso, serão analisadas amostras de saliva frente a resposta dos biossensores. Como prova de conceito será feita uma comparação da sensibilidade e especificidade dos biossensores com ensaios de ELISA e análise por espectrometria de massas. Esta proposta pode proporcionar um avanço significativo no diagnóstico e prognóstico de Câncer, pois nenhuma estratégia deste tipo, específica para Câncer de cabeça e pescoço, foi encontrada na literatura. (AU)