Busca avançada
Ano de início
Entree

Abordagem personalizada para recuperação motora pós-acidente vascular encefálico com estimulação com corrente direta transcraniana (tDCS)

Processo: 18/04544-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 13 de agosto de 2018
Vigência (Término): 12 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Sandra Regina Alouche
Beneficiário:Sandra Regina Alouche
Anfitrião: Mindy Levin
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : McGill University, Montreal, Canadá  
Assunto(s):Acidente vascular cerebral   Fisioterapia   Estimulação elétrica   Braço   Atividade motora

Resumo

A incapacidade funcional após o acidente vascular encefálico (AVE) é prevalente e o comprometimento da função do membro superior permanece em 75% dos casos na fase crônica de recuperação. A aplicação de estimulação por corrente direta transcraniana (tDCS) tem sido sugerida como benéfica para a neuroplasticidade e a recuperação funcional, mas os estudos ainda são controversos provavelmente pela variabilidade de resposta entre indivíduos e à falta de um protocolo de tDCS padronizado. Objetivo: Investigar como a severidade do AVE, determinada pela lesão do trato corticoespinhal, e parâmetros de estimulação (tipo de estimulação, intensidade, duração, tipo e número de eletrodos, posições dos eletrodos, tamanho dos eletrodos) influencia as repostas motoras individuais durante a tDCS. Método: Indivíduos com AVE subagudo irão praticar durante a fisioterapia, movimentos de alcance dirigidos a alvos específicos. Concomitantemente receberão a tDCS. Cada participante receberá três tipos de tDCS (anodal, catodal e sham), cada uma aplicada em um dia diferente, separadas por períodos de repouso. A tDCS será aplicada no cortex motor não-afetado pela lesão para aumentar (anodal) ou deprimir (catodal) a excitabilidade cortical. Estimulação placebo (sham) será também aplicada como controle. Os desfechos primários serão obtidos por meio da análise cinemática do desempenho do alcance do membro superior realizada antes e após cada sessão de tDCS + reabilitação e 24 hs depois para avaliar a retenção do aprendizado. Imagens de ressonância magnética serão utilizadas para quantificar a severidade do comprometimento motor como um biomarcador do montante de lesão do trato corticoespinhal causado pela lesão por AVE. Resultados esperados: Este projeto pretende elucidar que tipo de tDCS auxiliará a otimização do aprendizado motor para cada paciente. Plano de Trabalho: A participação neste projeto de pesquisa permitirá que a expertise em diversas áreas do conhecimento seja trazida para o Brasil e implementada em estudos e prática clínica. Especificamente possibilitará a aquisição de habilidade teórico-prática para aplicação da estimulação não-invasiva transcraniana e seu uso como recurso terapêutico de forma isolada ou em associação à fisioterapia; análise da ressonância magnética e da lesão do trato corticoespinhal como biomarcador de prognóstico clínico e funcional após o AVE; análise cinemática do movimento de alcance do membro superior; procedimentos diversos para reabilitação de indivíduos pós-AVE. (AU)