Busca avançada
Ano de início
Entree

Colaboração multidisciplinar em processos de projeto de arquitetura: estudo de caso exploratório

Processo: 18/12304-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 30 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Tecnologia de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Gil Garcia de Barros
Beneficiário:Luiz Gustavo Bertocchi Alves da Silva
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Processo de projeto   Administração de recursos humanos   Sistema de comunicação   Trabalho colaborativo   Indicadores de gestão   Projeto de arquitetura   Modernização   Edifícios   Entrevistas (psicologia)

Resumo

Este projeto de pesquisa trata do tema da colaboração multidisciplinar sob a perspectiva de modelos de coordenação de projetos num contexto de modernização do processo de projeto da indústria da construção de edifícios. Procura-se qualificar indicadores de boas práticas de projeto para atividade de coordenação de projeto na escala total do processo e entre coordenador-agente stakeholders utilizando-se respectivamente do mapeamento no "Fluxograma do projeto arquitetônico de edificações" (ABNT 16636-2/2017) e dos Padrões de colaboração propostos por De Vreede et al (2006). Propõe-se o desenvolvimento de um estudo de caso segundo o modelo exploratório. A unidade-caso constitui o processo de projeto para ampliação do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (CENPES II) entre 2004 e 2006. As fontes de dados compreendem entrevistas semiestruturadas e arquivos de documentos originais. Serão realizadas duas rodadas de entrevistas intercaladas pela consulta aos arquivos. Os resultados serão analisados a partir da comparação entre modelos da bibliografia, guia Intregrated Project Delivery (AIA, 2007), dados da efetiva realização do processo e a percepção das equipes. Espera-se observar desenvolvimento de um sistema de comunicação próprio, fase de planejamento maior do que o usual, antecipação de interfaces com agentes à jusante, elevada sinergia entre equipes e a reorganização funcional das equipes.