Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da influência do ômega-3 nas alterações respiratórias observadas no modelo da Doença de Parkinson induzido pela injeção bilateral da 6-hidroxi-dopamina no CPU

Processo: 18/13704-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 30 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Ana Carolina Thomaz Takakura
Beneficiário:Débora Alves Canuto de Lima
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/23376-1 - Núcleo retrotrapezóide, quimiossensibilidade central e automaticidade respiratória, AP.TEM
Assunto(s):Substância negra   Respiração   Ácidos graxos ômega-3   Doença de Parkinson

Resumo

A doença de Parkinson (DP) é uma patologia neurodegenerativa que está associada à perda de neurônios dopaminérgicos na substância negra compacta (SNpc) que leva à redução de dopamina na via nigrostriatal. Esta patologia desencadeia sintomas típicos motores como tremores e bradicinesia e sintomas não motores como deficiências neuropsiquiátricas e cognitivas, distúrbios do sono, disfunção sensorial e instabilidade respiratória. Estudos do nosso laboratório mostraram que no modelo de DP induzido pela injeção bilateral de 6-hidroxidopamina (6-OHDA) no estriado (CPu), observa-se uma intensa redução da frêquencia respiratória a partir do 40º dia e uma redução no número de neurônios de grupamentos bulbares que controlam a respiração. Estudos mostraram que os ácidos graxos poliinsaturados Ômega-3 (polyunsaturated fatty acids: PUFAs) trazem efeitos benéficos para uma ampla gama de distúrbios que afetam o sistema nervoso central. Os ácidos graxos da família n-3 como eicosapentaenóico (EPA), mas principalmente o docosahexaenóica (DHA) são encontrados em altas concentrações nas membranas encefálicas exercendo um papel de proteção, por terem ação antiinflamatória, antiapoptótica e antioxidante, assim como resultados mostraram que a suplementação rica em PUFAs realizada pelo óleo de peixe atenuou a perda de neurônios dopaminérgicos da SNpc e de terminais dopaminérgicos no estriado. Com isto se torna importante investigar se as alterações respiratórias observadas nessa patologia também podem ser amenizadas ou revertidas pelo tratamento com o ômega-3. Assim, o objetivo deste trabalho é investigar se o tratamento com ômega 3 pode reverter ou reduzir as alterações funcionais e neuroanatômicas respiratórias observadas no modelo da DP induzido por 6-OHDA.