Busca avançada
Ano de início
Entree

A desmedida da imagem: por um conceito de comunidade a partir do cinema

Processo: 18/03080-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação
Pesquisador responsável:Celso Fernando Favaretto
Beneficiário:Breno Isaac Benedykt
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Filosofia da educação   Pensamento   Cinema   Cineastas   Húngaros   Portugueses

Resumo

O presente projeto parte da hipótese de que é possível forjar um conceito filosófico a partir do que as obras cinematográficas nos dão a pensar. Conceito que, por sua vez, deve ser capaz de lançar nova luz sobre o presente, entendendo o excesso de imagens clichês como uma questão nevrálgica de nosso tempo. Para tanto, este projeto visa analisar dois blocos de imagem, composto, cada um deles, por três obras cinematográficas. Neste sentido, pretende estudar como cada um destes blocos opera uma singularização da experiência áudio e visual - cada uma delas capaz de produzir modos distintos de diferenciação sensível, tendo em vista sua capacidade de dinamizar as forças de uma comunidade mínima. Partindo da ideia de que uma comunidade é uma desmedida no/do social, compreende-se neste projeto que o regime das imagens mesuráveis pertence ao próprio funcionamento das imagens clichê. Portanto, se uma comunidade é entendida por nós como a contra-efetuação das imagens clichês, este projeto visa estudar dois blocos de imagem que resistem às imagens do presente. O primeiro deles, composto por três filmes do cineasta Pedro Costa - No Quarto de Vanda, Juventude em Marcha e Cavalo Dinheiro -, tem como foco a análise da singularização dos corpos e vozes, isto é, como seu dinamismo de posições, repetições e diferenciações ativa um novo tipo de percepção do comum, enquanto que o segundo bloco, composto por três filmes do cineasta Béla Tarr - Satantango, As Harmonias de Werckmeister e O Cavalo de Turim - tem como alvo perseguir a imagem enquanto multiplicidade, orgânica e inorgânica, de seres-sem-particularidades, de tal modo que a imagem pode ser apreendida como o pathos de uma comunidade outra. Por fim, este projeto pretende contribuir com o campo da educação a partir de um modo diferente de abordar e pensar a imagem cinematográfica. (AU)