Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da proteína GPNMB na modulação de processos inflamatórios causados pelo LPS em células da microglia e astrócitos de ratos

Processo: 18/07896-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Cristoforo Scavone
Beneficiário:Marina Saade
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/07427-8 - Envelhecimento e neuroproteção: ações da proteína Klotho no metabolismo energético, sinalização da Na,K-ATPase e respostas adaptativas no sistema nervoso central, AP.TEM
Assunto(s):Neurofarmacologia

Resumo

A GPNMB é uma proteína que está relacionada a mecanismos anti-apoptóticos e estudos recentes sugerem seu papel neuroprotetor. A GPNMB pode ser clivada e seu fragmento extracelular interage com a proteína transmembrana chamada Na+/K+-ATPase (NKA). A NKA é essencial no controle eletrolítico da célula e também possui papel sinalizador que influencia os processos inflamatórios. Diversos estudos apontam mudanças na atividade da NKA neural durante processos neuroinflamatórios e que a modulação da NKA resulta em efeitos sobre a neuroinflamação.A inflamação é um processo de defesa da célula, que pode ser induzida por diversos fatores, como o LPS. A inflamação desencadeia diversos processos celulares que podem ser nocivos ao organismo. Diversas células estão envolvidas neste processo, porém, no cérebro, os processos neuroinflamatórios são mediados majoritariamente por células da microglia e astrócitos.É cada vez mais estudada a correlação entre a neuroinflamação e neurodegeneração, relacionando-as ao envelhecimento e ao surgimento de doenças neurodegenerativas. Desta forma, este projeto tem como objetivo avaliar o papel da GPNMB nas vias inflamatórias em células da microglia, o qual pode ser um possível novo tratamento para as doenças neurodegenerativas.