Busca avançada
Ano de início
Entree

Emissão de metano entérico, eficiência alimentar e digestibilidade de bovinos da raça Nelore

Processo: 18/17313-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Produção Animal
Pesquisador responsável:Maria Eugênia Zerlotti Mercadante
Beneficiário:Leandro Sannomiya Sakamoto
Instituição-sede: Instituto de Zootecnia. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Nova Odessa , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/50339-5 - Plano de desenvolvimento institucional de pesquisa do Instituto de Zootecnia (PDIp), AP.PDIP
Assunto(s):Gases do efeito estufa   Consumo alimentar residual   Bos taurus indicus

Resumo

Serão utilizados 240 animais pertencentes ao Instituto de Zootecnia, avaliados em teste de desempenho por dois anos consecutivos, em piquetes coletivos equipados com cochos eletrônicos (GrowSafe® e Intergado®). A dieta dos animais durante os testes de desempenho será composta por silagem de milho, feno de brachiária, farelo de soja, milho moído e sal mineral+uréia (67% de NDT, 13% de PB). Serão avaliadas as características consumo de matéria seca (CMS), ganho médio diário (GMD), assim como as características de eficiência alimentar, consumo alimentar residual (CAR), eficiência alimentar bruta (EA), ganho residual e consumo e ganho residual, além de características da carcaça obtidas por ultrassonografia.A estimativa da emissão de metano entérico (CH4 em g/dia) será obtida nos mesmos animais descritos anteriormente (240 animais), utilizando a metodologia do gás traçador SF6 em 5 períodos consecutivos de 24 h, iniciando diariamente antes da alimentação, utilizando reservatórios de coleta (cilindros metálicos de cerca de 500 a 800 cc) evacuados para 0,03 atm. Serão estimadas a taxa de produção de metano (g/dia), produção de metano (CH4/CMS, g/kg), emissão de metano residual1 (CH4 observado - CH4 esperado pela equação de regressão de CH4 sobre CMS), emissão de metano residual2 (CH4 observado - CH4 esperado pela equação de Johnson et al., 1995) e emissão de metano residual3 (CH4 observado - CH4 esperado pela equação de IPCC, 2006). A emissão de metano entérico também será expressa em relação ao consumo de energia bruta (CH4 Mcal/100Mcal EB), energia digestível (CH4 Mcal/100Mcal ED) e energia metabolizável (CH4 Mcal/100Mcal EM), obtidos no ensaio de digestibilidade. A digestibilidade será determinada por meio de coleta de fezes diurna dos animais, durante quatro dias consecutivos às 7:30h; 10:30h; 13:30h e 16:30h. A excreção fecal será estimada utilizando-se como indicador interno a fibra em detergente neutro indigestível (FDNi), obtida via incubação ruminal, por 240 horas. Os dados gerados serão checados quanto à distribuição de frequências e homogeneidade de variâncias usando histogramas e testes estatísticos formais. Para explorar a relação entre as variáveis de eficiência alimentar, emissão de metano entérico e digestibilidade descritas anteriormente, serão estimadas correlações simples (Pearson) e parciais. Quando a relação entre as variáveis for forte, essa será quantificada por meio de análises de regressão.O desenvolvimento do projeto permitirá a) montar um banco de dados contendo informações de animais avaliados quanto a características relativas à emissão de metano entérico; b) avaliar diferentes formas de expressar características relativas à emissão de metano entérico; c) explorar a relação entre características relativas à emissão de metano entérico e consumo alimentar residual; d) explorar a relação entre características relativas à emissão de metano entérico e digestibilidade dos nutrientes; e) explorar a relação entre digestibilidade dos nutrientes e consumo alimentar residual; f) quantificar a proporção da energia dietética perdida em forma de metano; g) comparar as emissões de metano entérico observadas com as preditas por equações publicadas amplamente usadas em inventários de emissão de gases de efeito estufa.