Busca avançada
Ano de início
Entree

Envolvimento da neurotrasmissão CRFérgica no hipotálamo lateral nas respostas cardiovasculares e comportamentais ao estresse em ratos

Processo: 18/14284-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Carlos Cesar Crestani
Beneficiário:Lucas Barretto de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Neurofarmacologia   Hipotálamo   Anormalidades cardiovasculares   Estresse em animal

Resumo

Estudos em humanos e animais têm fornecido evidências que correlacionam o estresse com o desenvolvimento de diversas complicações cardiovasculares e transtornos psiquiátricos, como a ansiedade. Apesar da relevância desses achados, os mecanismos neurobiológicos relacionados com as alterações cardiovasculares e comportamentais induzidas pelo estresse ainda são pouco compreendidos. O Hipotálamo Lateral (HL) é uma importante área hipotalâmica que vem sendo implicada na integração das respostas fisiológicas e comportamentais ao estresse. De fato, foi demonstrado o envolvimento do HL nas respostas cardiovasculares ao estresse, e no controle de respostas comportamentais relacionadas à ansiedade e depressão. Entretanto, os mecanismos neuroquímicos locais envolvidos no controle dessas respostas pelo HL ainda são pouco compreendidos. O sistema CRFérgico, composto pelo fator liberador de corticotrofina (CRF) e pelos peptídeos urucortina 1, 2 e 3, atuando através da ativação dos receptores CRF1 e CRF2, foi demonstrado ser um importante mecanismo no sistema nervoso central envolvido na etiologia das alterações comportamentais e nos ajustes fisiológicos induzidos pela exposição a situações aversivas. Dados também evidenciaram que a exposição a protocolos de estresse crônico afeta a expressão dos receptores CRFérgicos, além de alterar os níveis de CRF e urocortinas em regiões encefálicas envolvidas no controle das respostas ao estresse. A expressão de receptores CRF1 e CRF2, bem como de componentes do sistema CRFérgico (por exemplo, CRF e urucortina 1 e 3) foram identificadas no HL. Além disso, foi reportado que a microinjeção de CRF no HL promove alterações em parâmetros cardiovasculares e comportamentais em animais não-estressados. Entretanto, um possível envolvimento da neurotransmissão CRFérgica no HL nas respostas cardiovasculares e ansiogênica induzidas pelo estresse nunca foi investigado. Desse modo, nossa proposta no presente estudo é: 1) investigar o envolvimento da neurotransmissão CRFérgica no HL nas respostas cardiovasculares e ansiogênica induzidas por uma sessão aguda de estresse de restrição em ratos; 2) avaliar o efeito da exposição repetida prévia ao estresse de restrição no controle das respostas cardiovasculares e ansiogênica a esse estressor pela neurotransmissão "CRFérgica" no HL em ratos; 3) investigar o envolvimento da neurotramissão "CRFérgica" no HL nas alterações nos parâmetros cardiovasculares basais e na atividade do barorreflexo, bem como na resposta comportamental anedônica, induzidas pela exposição a um protocolo de estrese crônico variável em ratos; e 4) avaliar o efeito da exposição repetida ao estresse de restrição ou a um protocolo de estresse crônico variável sobre os níveis proteicos dos receptores CRF1 e CRF2 no HL de ratos. (AU)