Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do envelhecimento no mecanismo reparador parácrino de células tronco na lesão renal aguda nefrotóxica.

Processo: 18/20139-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Mirian Aparecida Boim
Beneficiário:Márcia Bastos Convento
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/23345-9 - MicroRNAs, vesículas extracelulares e células tronco: papel fisiológico, fisiopatológico e potencialidade terapêutica em doenças renais, AP.TEM
Assunto(s):Envelhecimento   Células-tronco   Lesão renal aguda   Nefrologia   Gentamicinas

Resumo

A Insuficiência renal aguda (IRA) é uma síndrome clínica comum. A lesão renal induzida por drogas é uma das causas mais comuns de insuficiência renal aguda, principalmente nas Unidades de Terapia Intensiva. Entre os vários agentes nefrotóxicos podem ser citados os antimicrobianos bactericidas aminoglicosídeos, como a gentamicina. O principal alvo da lesão renal induzida por estes antibióticos é a célula tubular proximal, que é altamente sensível a lesão nefrotóxica e concentra o antibiótico no meio intracelular. Células-tronco têm sido extensivamente estudadas na lesão renal aguda. Entre os diversos tipos de células mesenquimais estromais, as que apresentam maior capacidade de proliferação são as derivadas do cordão umbilical. Independentemente dos subtipos de células estromais (da medula óssea, hematopoética, cordão umbilical ou tecido adiposo) o mecanismo de proteção parece ser predominantemente parácrino e mediado por microvesículas. Os exossomos são um dos tipos de vesículas liberadas pelas células, carregam RNAs e microRNAs que participam do mecanismo de comunicação e de reparação da lesão celular. Já foi demonstrado que o efeito protetor das microvesículas derivadas de células progenitoras endoteliais na LRA foi mediado por microRNAs pro-angiogênicos. O processo de envelhecimento (aging) em um animal deteriora diversas funções biológicas, entretanto o efeito do envelhecimento na produção e ação destas microvesículas e de seus microRNAs carreados ainda não foi explorado. O objetivo do presente trabalho é avaliar o efeito do envelhecimento no mecanismo protetor dos exossomos derivados das células estromais do cordão umbilical e da medula óssea na lesão induzida por antibióticos em células tubulares proximais.