Busca avançada
Ano de início
Entree

Combinação dos métodos da eletrorresistividade e GPR na avaliação do risco de queda de árvores

Processo: 18/22332-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE  
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Botânica Aplicada
Pesquisador responsável:Vinicius Rafael Neris dos Santos
Beneficiário:Vinicius Rafael Neris dos Santos
Empresa:Kerno Geo Soluções Ltda
CNAE: Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Vinculado ao auxílio:17/22855-9 - Avaliação não destrutiva de árvores em ambiente urbano através da combinação dos métodos da eltrorresistividade e ground penetrating radar, AP.PIPE
Assunto(s):Análise de risco   Árvores   Resistividade elétrica   Radar de penetração no solo

Resumo

É sabido que a arborização traz diversos benefícios, tanto estéticos como funcionais, à população e ao meio ambiente. Porém, a falta de planejamento desde a escolha da espécie adequada até o manejo da planta implica em transtornos, incluindo acidentes decorrentes da queda de árvores. Atualmente no Brasil, verifica-se que não existem critérios estabelecidos para o correto diagnóstico da condição de saúde ou risco de queda de uma árvore. Muitas análises partem de avaliações invasivas (penetrógrafo) ou apenas visuais, resultando em decisões equivocadas quanto ao manejo das árvores. Este projeto apresenta uma nova forma de interpretação para tais análises, combinando os métodos geofísicos de eletrorresistividade (Tomografia Elétrica - TE) e GPR (Ground Penetrating Radar). A primeira metodologia, a TE, mede a variação de resistividade elétrica, através da injeção de corrente diretamente no tronco ou no solo. Já o método GPR utiliza o princípio da reflexão de ondas eletromagnéticas em alta frequência, possibilitando a obtenção de uma imagem de alta resolução do interior do tronco e das raízes. O ambiente urbano requer que as análises sejam realizadas de maneira eficiente, ou seja, que não prejudique o trânsito nas vias e que forneça uma resposta rápida para que as devidas ações sejam postas em prática. Ambos os métodos geofísicos são capazes de indicar cavidades e outros defeitos, bem como o sistema radicular em diferentes profundidades, imageando a condição e distribuição espacial das raízes sob o solo, através de variações nas propriedades físicas envolvidas. Para a TE, em especial, pretende-se desenvolver uma ferramenta de análise baseada na teoria da inversão de dados, visando delimitar a forma das anomalias com mais precisão. Ressaltando que a inversão de dados geofísicos nunca foi aplicada a este tipo de estudo. Planeja-se, ainda, realizar diferentes testes para determinar o melhor modo de aquisição de dados, assim como identificar e diferenciar os padrões de anomalias encontradas nas amostras testadas. A partir dos resultados, será desenvolvido um aplicativo em ambiente Android para a análise e interpretação dos dados diretamente em campo, com a formação de um banco de dados para monitoramento futuro. No contexto apresentado, a TE e o GPR mostram potencial para serem ferramentas de uso prático que podem, e devem ser integradas com outros tipos de análise já bem estabelecidas. (AU)