Busca avançada
Ano de início
Entree

Trabalho, cotidiano e resistência na Fábrica de Ferro de Ipanema (1810-1895)

Processo: 18/09826-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2018
Vigência (Término): 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Jaime Rodrigues
Beneficiário:Karina Oliveira Morais dos Santos
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):História social   Ferro   Administração de manutenção de fábricas e equipamentos   Indústria siderúrgica   Trabalho escravo

Resumo

Esta pesquisa pretende fazer um estudo de caso, tomando por objeto as relações de trabalho na Real Fábrica de Ferro São João de Ipanema, considerada a primeira siderúrgica do país, localizada na então Vila de Sorocaba, atual município de Iperó, em São Paulo. A Fábrica foi oficialmente fundada em 1810, mas desde o século XVI já se aventava as possibilidades de extração de ferro do Morro de Araçoiaba, onde foi posteriormente edificada. Em função da instabilidade produtiva e das dificuldades no gerenciamento administrativo, em 1860 ela foi desmontada e seu patrimônio, compreendendo maquinaria e escravos, foi enviado ao Mato Grosso, onde se iniciava a construção de uma nova siderúrgica. Com a eclosão da Guerra do Paraguai, a Fábrica de Ipanema reativou suas atividades em 1865, a fim de fornecer insumos à guerra. Suas atividades foram definitivamente encerradas nos primeiros anos da República, em 1895. Africanos livres e escravizados, alemães, suecos, indígenas, camponeses locais, católicos, protestantes, homens, mulheres, crianças, Colônia, Império, República, Coroa e acionistas particulares: entre expectativas e frustrações, uma pluralidade de sujeitos emaranhados nas teias das complexas relações de trabalho e de vida compartilharam a experiência de trabalho na Fábrica. Trata-se de uma experiência singular na história do Brasil sobre a qual pretendo refletir, na perspectiva da História Social, acerca da convergência de perfis distintos de trabalhadores, o cotidiano, a resistência e as transformações nas conjunturas e na vida desses sujeitos históricos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)