Busca avançada
Ano de início
Entree

Abordagem petrocronológica para obtenção de trajetórias P-T-D-t em metapelitos miloníticos do Grupo Votuverava

Processo: 18/22959-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 30 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 29 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Frederico Meira Faleiros
Beneficiário:Maria Thereza Akemi Guimarães Yogi
Supervisor no Exterior: Pierre Lanari
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Bern, Suíça  
Vinculado à bolsa:17/02769-0 - Evolução termo-cinemática do embasamento e cobertura metassedimentar do anticlinório da Anta Gorda, Faixa Ribeira Meridional, BP.MS
Assunto(s):Petrologia metamórfica

Resumo

A Faixa Ribeira Meridional compreende vários terrenos tectonometamórficos delimitados por um sistema de zonas de cisalhamento de escala regional. Esses terrenos registraram metamorfismo e deformação principalmente durante o Ciclo Brasiliano-Pan Africano, relacionado à consolidação do Gondwana Ocidental. No entanto, a existência de rochas mais antigas de idades Mesoproterozóica e Paleoproterozóica na Faixa Ribeira Meridional levanta a possibilidade de ciclos tectônicos anteriores que poderiam ter contribuído para sua configuração atual. O Anticlinório da Anta Gorda é um domínio estrutural do Terreno Apiaí que compreende rochas miloníticas ortognáissicas de idade estateriana e uma sucessão de rochas metassedimentares calimiana. O metamorfismo nos metapelitos varia desde o grau da zona de biotita até a zona de cianita. O gradiente metamórfico sugere temperaturas mais altas nas áreas mais distais das rochas ortognáissicas, porém o registro metamórfico também é fortemente controlado pela composição das rochas. O anticlinório é delimitado por zonas de cisalhamento de escala regional, resultando em uma estrutura que exemplifica um modelo de partição de deformação em grande escala, com a principal deformação dúctil tida como contemporânea ao pico de metamorfismo. A combinação dos dados de geocronologia de monazita e modelagem petrológica dos metapelitos permitirá obter trajetórias de Pressão-Temperatura-Deformação-tempo (P-T-D-t). O estudo das trajetórias P-T-D-t nessas rochas é fundamental para aprofundar a compreensão dos possíveis regimes térmicos e de deformação que atuaram durante a evolução da Faixa Ribeira Meridional. O projeto de estágio é baseado em um estudo petrocronológico detalhado combinando o mapeamento composicional quantitativo de amostras contendo granada e monazita, modelagem de diagramas de fase isoquímicos e datação de monazita por LA-ICP-MS.