Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação da luminescência opticamente estimulada de pastilhas de alexandrita para aplicações na área de dosimetria

Processo: 18/16894-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de outubro de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Nuclear - Aplicações de Radioisótopos
Pesquisador responsável:Neilo Marcos Trindade
Beneficiário:Matheus Cavalcanti dos Santos Nunes
Instituição-sede: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Alexandrita   Dosimetria   Termoluminescência   Dosimetria por luminescência estimulada opticamente   Radiação ionizante   Detectores de radiação

Resumo

Alexandrita (BeAl2O4:Cr3+) é um mineral da variedade crisoberilo amplamente encontrado no Brasil; porém, ainda é uma gema pouco conhecida quanto as suas propriedades físicas. O objetivo da pesquisa é investigar os efeitos de radiação ionizante beta em alexandrita utilizando a técnica de Luminescência Opticamente Estimulada (OSL). Espera-se que este mineral tenha potencial como dosímetro natural, uma vez que a sua composição contém 19,8% em peso de BeO e 80,2% em peso de Al2O3, sendo ambos os óxidos utilizados comercialmente como dosímetros. Recentemente, a investigação de minerais naturais de alexandrita mostrou que o sinal OSL aumenta linearmente em função de baixas doses usando radiação ionizante beta, portanto, alexandrita tem mostrado potencial para uso em dosimetria. Considerando suas propriedades luminescentes e que o Brasil é atualmente o maior produtor mundial desse mineral, este projeto propõe a caracterização de detectores no formato de pastilhas contendo alexandrita e um aglutinante polimérico. Deste modo, pretende-se ampliar a aplicação da técnica OSL no Brasil apresentando os detectores de alexandrita como uma alternativa mais acessível aos detectores OSL comercialmente disponíveis. A pesquisa será realizada em colaboração com a Universidade de São Paulo e Universidade Federal Tecnológica do Paraná.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.