Busca avançada
Ano de início
Entree

Síntese de nanopartículas de óxido de zinco para aplicações como agente antimicrobiano

Processo: 18/18755-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2018
Vigência (Término): 30 de novembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica de Processos e Sistemas
Pesquisador responsável:Angela Mitie Otta Kinoshita
Beneficiário:Fabiana Navas Reis
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Universidade do Sagrado Coração (USC). Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Biomedicina   Nanotecnologia   Nanopartículas   Óxido de zinco   Anti-infecciosos   Enterococcus faecalis   Staphylococcus aureus

Resumo

Materiais nanotecnológicos apresentam inúmeras aplicações em eletrônica, catálise, células solares, entre outras. Na área biomédica, destaca-se a aplicação de nanoestruturas com propriedades antimicrobianas, como o óxido de zinco. Estes são eficientes no controle de microrganismos apresentando biocompatibilidade, baixa toxicidade e resistência ao calor, sendo um grande candidato a aplicações biomédica. As propriedades conferidas à qualquer nanopartícula pode sofrer alterações dependendo do método de síntese aplicado, pois ocasionará em mudanças em sua estrutura cristalina, morfologia e composição. Tratando-se de síntese de nanopartículas de óxido de zinco, os métodos mais utilizados são: co-precipitação, sol-gel, deposição por plasma em micro-ondas, deposição por evaporação térmica de micro-ondas, deposição química de vapor, oxidação térmica, hidrotermal e hidrotermal assistido por micro-ondas. O presente trabalho tem como objetivo analisar, por meio de uma comparação entre o método hidrotermal convencional e o método hidrotermal assistido a micro-ondas qual é o mais adequado para a síntese das nanopartículas de óxido de zinco, afim de se obter partículas de menor tamanho e com gasto menor energético. Após a escolha do melhor método serão avaliados o potencial antimicrobiano contra Enterococcus faecalis, e Staphylococcus aureus, através do teste de Concentração Inibitória Mínima (CIM) por se tratarem de microrganismos cujo combate é de grande importância na área da saúde.