Busca avançada
Ano de início
Entree

Validação do ácido hialurônico como biomarcador diagnóstico e preditivo em escarro de pacientes com carcinoma de pulmão

Processo: 18/19545-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Vanessa Karen de Sá
Beneficiário:Juliano Prudêncio Chinoca
Instituição-sede: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente (FAP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/26642-4 - Detecção de ácido hialurônico e mutações em biópsia líquida de escarro como rastreamento de pacientes com câncer de pulmão, AP.JP
Assunto(s):Neoplasias pulmonares   Diagnóstico de câncer   Biomarcadores   Ácido hialurônico   Carcinoma   Pulmão   Pneumopatias   Escarro

Resumo

O câncer de pulmão (CP) é a causa mais comum de morte por neoplasia em todo o mundo. Dados brasileiros apresentados pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimam 18.740 novos casos de câncer de pulmão entre homens e de 12.530 em mulheres para cada ano do biênio 2018-2019. Considerando esses dados como referência, diversos grupos de pesquisa tem estudado e investido em novas estratégias para desenvolver métodos diagnósticos não invasivos, novos biomarcadores e novas técnicas de auxílio ao diagnóstico, prognóstico e tratamento do CP. Biópsias líquidas no sangue, no escarro ou nos lavados brônquicos para a detecção precoce do CP já estão sendo realizadas, porém nenhum grupo obteve sucesso na padronização destes marcadores para o uso em larga escala na prática clínica. No entanto, um grupo específico de proteínas da matriz extracelular (MEC) presentes em secreções, sangue, saliva, escarro e urina, tem apresentado grande potencial como marcador diagnóstico de CP. Esse potencial tornou-se exacerbado após resultados de estudos prévios que demonstraram a associação direta e significativa entre os tumores com o elevado percentual de ácido hialurônico (HA), densidade microvascular (DMV) e a relação com o potencial de malignidade. Igualmente significativa foi a descoberta da associação direta entre tumores metastáticos e altos níveis de HA nas células neoplásicas. Estudos recentes detectaram níveis aumentados de HA no escarro de pacientes com câncer de pulmão, assim como uma correlação significativa entre os níveis de HA no escarro e no tecido tumoral. (AU)