Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos efeitos antifúngicos do éster fenetil do ácido cafeico (CAPE) sobre Espécies de Candida não albicans

Processo: 18/21034-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de outubro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Juliana Campos Junqueira
Beneficiário:Lucas Alexandre das Chagas Lopes
Instituição-sede: Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Candida krusei   Candida glabrata   Biofilmes   Microbiologia oral

Resumo

Candida albicans ainda é a espécie mais relacionada à candidose, porém nos últimos anos, observou-se grande aumento de espécies não-albicans, como Candida glabrata, Candida tropicalis, Candida krusei e Candida. parapsilosis como causadores de diversas infecções fúngicas. A alta prevalência dessas espécies está relacionada ao aumento de resistência à antifúngicos convencionais no ambiente hospitalar. Assim, o desenvolvimento de novos compostos antifúngicos e novas abordagens terapêuticas são de grande necessidade para o controle dessas infecções. O éster fenetil do ácido caféico (CAPE), tem sido considerado um composto antimicrobiano promissor por possuir ação antifúngica, imunomodulatora e anti-inflamatória. Portanto, o presente trabalho tem como objetivo determinar o efeito antifúngico do CAPE em biofilmes formados in vitro por cepas de espécies não-albicans. Inicialmente, 40 cepas clínicas de C. glabrata, C. krusei, C. tropicalis e C. parapsilosis isoladas de lesões e saliva de pacientes portadores do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), resistentes e sensíveis ao fluconazol, serão submetidas ao teste de Concentração Inibitória Mínima (CIM) para o CAPE. A seguir, será investigado o efeito antifúngico do CAPE em biofilmes formados in vitro com 2 cepas de cada espécie (uma resistente e outra sensível). A quantificação da biomassa dos biofilmes de 48h será realizada por meio da metodologia de peso seco, cristal violeta e do número de células viáveis (UFC/mL). Além disso, será realizada a microscopia eletrônica de varredura dos biofilmes formados. Os resultados serão submetidos a uma análise exploratória para a seleção do teste estatístico apropriado (P d 0,05).